Ações policiais derrubam maior dos marketplaces na dark web

Pelas estimativas da Europol, esse marketplace estava transacionando um total superior a 140 milhões de euros por ano
Da Redação
13/01/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O DarkMarket, o maior mercado ilegal do mundo na dark web, agora está off-line, após uma operação internacional envolvendo forças policiais e de inteligência da Alemanha, Austrália, Dinamarca, Moldávia, Ucrânia, Reino Unido (a Agência Nacional do Crime) e EUA (DEA, FBI e IRS). A Europol deu apoio com análises operacionais especializadas e coordenou o esforço de colaboração transfronteiriça dos países envolvidos.

Pelas estimativas da Europol, o mercado transacionava um total superior a 140 milhões de euros. Os vendedores comercializavam todos os tipos de medicamentos, dinheiro falsificado, detalhes de cartões de crédito roubados ou falsificados, cartões SIM anônimos e malware.

Veja isso
Número de usuários da dark web aumenta drasticamente na pandemia
Mercados na dark web evoluem apesar da polícia, afirma Europol

As ações culminaram com a prisão, no último fim de semana, de um cidadão australiano que é o suposto operador do DarkMarket, perto da fronteira da Alemanha com a Dinamarca. A prisão foi feita por policiais da cidade alemã de Oldenburg.

DarkMarket em números:
  • quase 500.000 usuários
  • mais de 2 400 vendedores 
  • mais de 320.000 transações
  • mais de 4 650 bitcoin e 12 800 monero transferidos

A investigação foi liderada pela unidade de crimes cibernéticos do Ministério Público de Koblenz, Alemanha, e permitiu que policiais localizassem e fechassem o marketplace, desligassem os servidores e apreendessem a infraestrutura criminosa – mais de 20 servidores na Moldávia e na Ucrânia. Essa parte foi feita com o apoio da polícia alemã. Os dados armazenados darão aos investigadores novas pistas para investigar moderadores, vendedores e compradores.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)