Photo by Anne Nygård on Unsplash

Malware que rouba informações mira contas do Facebook

Da Redação
18/10/2022

Uma nova campanha de phishing do Ducktail está espalhando um malware de roubo de informações do Windows nunca antes visto escrito em PHP usado para furtar contas do Facebook, dados do navegador e carteiras de criptomoedas.

As campanhas de phishing do Ducktail foram reveladas pela primeira vez por pesquisadores da WithSecure em julho, que vincularam os ataques a hackers vietnamitas. Essas campanhas se basearam em ataques de engenharia social por meio do LinkedIn, empurrando o malware .NET Core disfarçado de documento PDF supostamente contendo detalhes sobre um projeto de marketing.

O malware direcionou as informações armazenadas nos navegadores, concentrando-se nos dados da conta do Facebook Business, e as exfiltraram para um canal privado do Telegram que agia como um servidor de comando e controle (C&C). Essas credenciais roubadas são usadas para fraude financeira ou para exibir publicidade maliciosa.

A Zscaler, norte-americana especializada em soluções de cloud security, agora relata sinais de novas atividades envolvendo uma campanha atualizada do Ducktail que usa um script PHP para atuar como um malware de roubo de informações do Windows. Ele agora substituiu o malware mais antigo de roubo de informações do .NET Core usado em campanhas anteriores por um escrito em PHP.

A maioria das iscas falsas para essa campanha está relacionada a jogos, arquivos de legendas, vídeos adultos e aplicativos quebrados do Office. Estes são hospedados em formato ZIP em serviços de hospedagem de arquivos legítimos. Quando executada, a instalação ocorre em segundo plano enquanto a vítima vê pop-ups falsos de “verificando a compatibilidade do aplicativo” no frontend, aguardando a instalação de um aplicativo falso enviado pelos golpistas.

O malware obtém persistência adicionando tarefas agendadas no host para executar diariamente e em intervalos regulares. Ao mesmo tempo, um arquivo TMP gerado executa um processo paralelo para iniciar o componente ladrão. O código do ladrão é um script PHP ofuscado (Base64), que é decifrado diretamente na memória sem tocar no disco, minimizando as chances de ser detectado.

Os dados direcionados incluem extensos detalhes da conta do Facebook, dados confidenciais armazenados em navegadores, cookies do navegador, carteira de criptomoedas e informações da conta e dados básicos do sistema. As informações coletadas não são mais exfiltradas para o Telegram, mas armazenadas em um site JSON que também hospeda tokens de conta e dados necessários para realizar fraudes no dispositivo.

Veja isso
Malware rouba contas comerciais e de anúncios do Facebook
Hackers ocultam malware no logo do Windows para atacar governos

Na campanha anterior, a Ducktail tinha como alvo funcionários que trabalham no departamento financeiro ou de marketing de empresas que provavelmente teriam permissão para criar e executar campanhas publicitárias na plataforma de mídia social. O objetivo era assumir o controle dessas contas e direcionar os pagamentos para suas contas bancárias ou executar suas próprias campanhas no Facebook para promover o Ducktail para mais vítimas.

Na última campanha, no entanto, a Zscaler notou que o escopo de segmentação foi ampliado para incluir usuários regulares do Facebook e para extrair qualquer informação valiosa que eles possam ter armazenado em suas contas. Ainda assim, se o tipo de conta for determinado como uma conta comercial, o malware tentará obter informações adicionais sobre métodos de pagamento, ciclos, valores gastos, detalhes do proprietário, status de verificação, páginas de propriedade, endereço do PayPal e muito mais.

A evolução do Ducktail e a tentativa de evitar o monitoramento subsequente por pesquisadores de segurança indicam que os operadores da ameaça pretendem continuar suas operações lucrativas.

Compartilhar: