Johannesburgo tem serviços paralisados por hackers

Paulo Brito
26/10/2019
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Ataque com ransomware causou a paralisação de todos os serviços da Prefeitura, inclusive o atendimento pelo call center

O site, os serviços online e o call center da prefeitura de Johannesburgo, cidade que é o centro econômico da África do Sul, deixaram de funcionar a partir da noite de quinta-feira por causa de um ataque cibernético. Ontem, por volta das 18h30 em Brasília, a Prefeitura publicou um post em sua conta de Twitter informando oficialmente que o site havia sido hackeado.

Um grupo que se identificou no Twitter como Shadow Kill Hackers declarou que é o responsável pela invasão dos sistemas. Os integrantes deixaram uma nota de resgate exigindo 4,0 bitcoins até 28 de outubro às 17h. Se a cidade não pagar, o grupo ameaça publicar todos os dados obtidos nos bancos de dados da prefeitura. Diz a nota: “Todos os seus servidores e dados foram invadidos. Temos dezenas de backdoors dentro da sua cidade. Temos controle de tudo na sua cidade. Também comprometemos todas as senhas e dados confidenciais, como informações financeiras e pessoais da população”.

Ao mesmo tempo em que estava acontecendo a invasão, houve problemas de acesso a serviços financeiros na cidade. Os bancos, no entanto, informaram que os dois fatos não estavam relacionados.

Esta não foi a primeira vez que Joanesburgo sofreu um ataque ao seu sistema, supostamente com exigência de resgate. Em julho de 2019, os residentes de Joanesburgo não conseguiram comprar ou carregar suas unidades de eletricidade devido a um ataque de ransomware que deixou a empresa de eletricidade de Joanesburgo paralisada.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest