PF prende na Bahia suspeito de integrar o grupo Lapsus$

Da Redação
20/10/2022

A Polícia Federal prendeu ontem (19/10), em Feira de Santana, o brasileiro investigado por suspeita de integrar o grupo Lapsus$. As diligências realizadas são desdobramento da Operação “Dark Cloud”, deflagrada em agosto deste ano, que teve como objetivo coletar elementos para o inquérito policial que apura atividade de “possível organização criminosa”, segundo comunicado da PF. A organização teria sido formada “com o objetivo de promover ataques cibernéticos diversos, especialmente os praticados no final de 2021, contra o Ministério da Saúde e dezenas de outros órgãos e entidades do Governo Federal, entre os quais também o Ministério da Economia, Controladoria-Geral da União e a Polícia Rodoviária Federal”.

Na verdade o grupo atacou muitas outras organizações: a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, a Localiza Rent a Car, além de diversos outras na América do Sul, Estados Unidos e Europa, abrangendo a Sociedade Independente de comunicação, canal televisivo privado em Portugal, o grupo Impresa, Electronic Art, Globant e Microsoft Azure.

Veja isso
Estudo mede impacto de ciberataques na área da saúde
Ação da Polícia Federal atinge operação na dark web

As investigações foram iniciadas em dezembro passado, quando a Polícia Federal tomou conhecimento de que o ambiente em nuvem do Ministério da Saúde havia sido atacado. Na ocasião, os invasores deletaram arquivos, dados e instâncias da pasta, levando inclusive ao comprometimento do site conectesus.saude.gov.br, responsável pelo Certificado Nacional de Vacinação.

Após o ataque, ao tentar acessar o site do Ministério da Saúde (www.saude.gov.br), os usuários encontraram um recado afirmando que os dados do sistema haviam sido copiados e excluídos e estavam nas mãos do grupo invasor.

Os crimes apurados no inquérito policial são os de “organização criminosa, invasão de dispositivo informático, interrupção ou perturbação de serviço telegráfico, radiotelegráfico ou telefônico, impedir ou dificultar-lhe o restabelecimento”. Foi constatada ainda a prática de corrupção de menores, crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente, e de lavagem de capitais.

Compartilhar: