Hackers vazam documentos do Ministério da Defesa mexicano

Da Redação
02/10/2022

O presidente do México, López Obrador, confirmou em seu pronunciamento diário do dia 30 de Setembro, sexta-feira, que um grupo de hackers roubou milhares de e-mails do sistema de TI do Ministério da Defesa Nacional (Sedena). As mensagens e documentos anexos – alguns dos quais contêm informações sobre os problemas médicos do presidente, incluindo um infarto que ele sofreu no início deste ano -, foram vazados para o portal ‘Latinus’ pelo grupo Guacamaya de hackers centro-americanos.

Veja isso
Cartéis mexicanos entram em operação na dark web
Comércio exterior do México paralisado por ransomware

O grupo informou em sua conta do Twitter que foram roubados cerca de 6TB de dados. O jornalista Carlos Loret de Mola, do Latinus, informou que a incursão nos servidores do exército foi “a violação mais grave” da cibersegurança do governo federal. Entre as informações coletadas do ataque cibernético estava a de que em janeiro López Obrador foi transportado de ambulância aérea de Chiapas para a Cidade do México para tratamento de “angina instável de alto risco”.

“(…) ninguém de seu governo se referiu à transferência de emergência ou ao diagnóstico grave”, disse Loret. O presidente – que teve um infarto em 2013 – disse que as informações sobre seus problemas de saúde foram divulgadas anteriormente, mas admitiu que não era de conhecimento público que ele foi levado de ambulância aérea para a capital. “Havia risco de ataque cardíaco e eles me levaram para o hospital. E eles recomendaram um cateterismo (…)” disse López Obrador.

O vazamento contém detalhes sobre o “Culiacanazo”, uma operação fracassada em outubro de 2019 que procurou prender Ovidio Guzmán, filho de “Chapo” Guzmán em Sinaloa, no noroeste do país. “O que é que eles dão a conhecer? O que é de domínio público, quem não esconde nada, não teme nada”, disse López Obrador. Embora não tenha identificado o grupo que realizou o ataque cibernético , o líder mexicano afirmou que “fizeram algo semelhante” na Guatemala, Colômbia, Chile e El Salvador . Ele acusou grupos estrangeiros de usarem o jornalista Carlos Loret de Mola para divulgar a informação. “Entendo que esse mesmo grupo já fez a mesma coisa em outros países, acho que na Colômbia, no Chile, por isso acho que é algo que se trata do exterior, que não é do México”, disse.

López Obrador descartou a implementação de mais medidas para proteger as Forças Armadas de futuras invasões. “Nada (de medidas adicionais), porque se você agir com transparência, que é a regra de ouro da democracia, se você não mentir, se você falar a verdade, então que problema você pode ter”, argumentou.

Compartilhar: