twitter-1795652_1280-1.jpg

Ex-diretor acusa Twitter de falhar em segurança

Acusações feitas em relatório à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA abordam regras de proteção, privacidade e moderação de conteúdo
Da Redação
23/08/2022

O ex-diretor de segurança da informação do Twitter, Peiter Zatko, apresentou à Securities and Exchange Commission, ao Departamento de Justiça e à Federal Trade Commission dos Estados Unidos um relatório acusando a empresa de “deficiências extremas e flagrantes” em suas práticas de prevenção de spam e de proteção contra ataques cibernéticos. As acusações, noticiadas inicialmente pelo jornal The Washington Post e pela CNN, dizem que as falhas na imposição de regras de proteção, privacidade e moderação de conteúdo ocorrem desde 2011. O relatório, enviado no dia 6 de Julho passado, indica um ambiente sem ordem e imprudente em uma empresa mal administrada, na qual funcionários acessam os controles centrais da plataforma e as informações mais confidenciais sem supervisão adequada. Zatko também alega que alguns dos altos executivos da empresa estão tentando encobrir as vulnerabilidades e que um ou mais funcionários atuais podem estar trabalhando para governos estrangeiros.

Veja isso
Encontrados 3.200 apps que expõem chaves da API do Twitter
Twitter e Meta removem grupos antivacina e de fake news chinês

As alegações chegam em um momento ruim para o Twitter, que está travado em uma disputa judicial com Elon Musk, que se esforça para se distanciar de um acordo de US$ 44 bilhões para comprar a rede social. O Twitter processou Musk para pressioná-lo a honrar o acordo. As razões de Musk e as acusações de Zatko coincidem em alguns pontos – incluindo a quantidade de usuários falsos no Twitter. Musk afirma que as divulgações públicas do Twitter sobre seus números são enganosas.

Uma porta-voz do Twitter afirmou para o New York Times que Zatko foi demitido em janeiro de 2022 por gerenciamento inútil e mau desempenho: “O que vimos até agora é uma narrativa falsa sobre o Twitter e sobre nossas práticas de privacidade e proteção, repletas de inconsistências e imprecisões e sem contexto importante. As alegações de Zatko e o momento oportunista parecem projetados para chamar a atenção e causar danos ao Twitter, seus clientes e acionistas. Segurança e privacidade têm sido prioridades de toda a empresa no Twitter e continuarão sendo”.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Últimas Notícias