cyber-4444450_640.jpg

China tem 50 hackers para cada agente de cibersegurança do FBI

Da Redação
01/05/2023

Em audiência na Câmara dos Representantes dos EUA, na quinta-feira passada, 27 de abril, o diretor do FBI, Christopher Wray, pediu aos legisladores verba adicional no orçamento do próximo ano para combater ameaças cibernéticas, observando que o departamento enfrenta um desequilíbrio total contra a China em particular.

“Para dar uma ideia do que estamos enfrentando, se cada um dos agentes cibernéticos do FBI e analistas de inteligência se concentrassem exclusivamente nas ameaças da China, os hackers chineses ainda superariam o pessoal de segurança cibernética do FBI [na proporção de] pelo menos 50 para 1”, disse ele durante audiência no subcomitê de apropriações da Câmara.

Para o ano fiscal de 2024, o FBI deseja adicionar 192 cargos para combater ameaças cibernéticas, “incluindo 31 agentes especiais, oito analistas de inteligência e 153 funcionários profissionais”, de acordo com um resumo do departamento de polícia. Essas posições representariam um aumento de US$ 63,4 milhões “para aprimorar as habilidades de compartilhamento de informações cibernéticas e aumentar as ferramentas e capacidades cibernéticas”.

A agência também quer US$ 27,2 milhões extras, incluindo quatro novos cargos, “para ajudar a proteger as redes internas do FBI”.

Incidentes recentes atribuídos a hackers chineses incluem uma operação de espionagem contra uma organização sem fins lucrativos, exfiltração de dados de instituições sul-coreanas e uma campanha de troll farm (grupo institucionalizado de trolls da internet que busca interferir nas opiniões políticas e produzir desinformação) que perseguiu dissidentes.

Veja isso
Grupo chinês se infiltra nas redes diplomáticas da América do Sul
Microsoft acusa China de usar alerta de bug para criar dia zero

Wray também falou sobre o tamanho do desafio para as equipes de segurança cibernética do FBI. “Estamos investigando mais de 100 variantes diferentes de ransomware, cada uma com dezenas de vítimas, bem como uma série de outras novas ameaças representadas por cibercriminosos e agentes ligados a Estados-nação, de países, além da China, como Rússia, Irã e Coréia do Norte”, detalhou o diretor. “E está ficando cada vez mais desafiador discernir onde termina a ameaça do estado-nação e começa a ameaça do cibercrime.”

Em seu resumo da solicitação de orçamento, o FBI divulgou a cooperação com parceiros internacionais para derrubar o Genesis Market no início deste mês e a gangue de ransomware Hive em janeiro. “No total, realizamos mais de mil ações contra adversários cibernéticos em 2022, incluindo prisões, acusações criminais, condenações, desmandos e interrupções, e permitimos muitas outras ações por meio de nossas parcerias dedicadas com o setor privado, parceiros estrangeiros e com o governo federal, entidades estaduais e locais”, dizia o resumo.

Compartilhar: