Brasil: ransomware atingiu 55% das organizações em 2021

Relatório “The State of Ransomware 2022” da Sophos também revela que no mundo inteiro 66% das empresas entrevistadas sofreram ataques desse tipo no período
Da Redação
09/05/2022

A Sophos publicou hoje sua pesquisa anual The State of Ransomware 2022: o relatório mostra que no Brasil 55% das 200 organizações entrevistadas foram atingidas por algum ransomware em 2021, o que representa um aumento considerável em relação aos 38% relatados em 2020. Além disso, 56% dos incidentes resultaram em dados criptografados. Este número, apesar de inferior à média global de 65%, teve um grande aumento em relação aos 36% relatados em 2020.

Além disso, o Brasil registrou outros dados interessantes, como o de que 73% das companhias declararam que o backup é o método mais utilizado para a restauração de dados após um ataque de ransomware – alinhado com a média global -, enquanto 40% optou por pagar o resgate. Ainda, 25 dos entrevistados que pagaram o resgate compartilharam o valor exato desembolsado, e a média bateu os US$ 211.790. Dessas que pagaram o resgate, houve recuperação de, em média, 55% dos dados.

O relatório mostra que 66% das organizações avaliadas em todo o mundo foram atingidas por ransomware em 2021, em comparação com os 37% registrados em 2020. De acordo com o estudo, o resgate médio pago pelas empresas que tiveram dados criptografados em ataques aumentou em quase cinco vezes, chegando a US$ 812.360. Além disso, 46% das companhias que tiveram dados encriptados pagaram o resgate para recuperá-los, apesar de terem outros meios de recuperação disponíveis, como backups.

Assim como edições anteriores do projeto, o relatório de 2022 da Sophos resume o impacto do ransomware em 5.600 organizações de médio porte em 31 países da Europa, Américas, Ásia-Pacífico e Ásia Central, Oriente Médio e África, com 965 casos detalhados de pagamentos de ransomware nessas localidades.

Veja isso
Sophos e Deloitte anunciam novas aquisições nos EUA
Sophos anuncia crescimento de 20% na América Latina

Outras conclusões globais da pesquisa The State of Ransomware 2022, que abrange incidentes de ransomware que ocorreram durante 2021, além de problemas relacionados a seguros cibernéticos, incluem:

  • Os pagamentos de resgate são mais altos – Em 2021, 11% das organizações afirmaram que pagaram resgates de US$ 1 milhão ou mais, número superior aos 4% registrados em 2020, enquanto a porcentagem de empresas que pagam menos de US$ 10.000 caiu para 21% – de 34% em 2020;
  • Mais vítimas estão pagando o resgate – Em 2021, 46% das companhias que tiveram dados criptografados em um ataque de ransomware pagaram o resgate. 26% das empresas que conseguiram restaurar dados criptografados usando backups em 2021 também pagaram o resgate;
  • O impacto de um ataque de ransomware pode ser imenso – O custo médio para recuperação do ataque de ransomware mais recente em 2021 foi de US$ 1,4 milhão. Nesse caso, a organização demorou, em média, um mês para se recuperar dos danos e interrupções. 90% das empresas disseram que o ataque afetou a capacidade de operar e 86% das vítimas do setor privado afirmaram que perderam negócios e/ou receita por causa do ataque;
  • Muitas organizações contam com o seguro cibernético para ajudá-las a se recuperar de um ataque de ransomware – 83% das companhias de médio porte tinham um seguro cibernético que as cobre no caso de um ataque de ransomware – e, em 98% dos incidentes, a seguradora pagou parte ou todos os custos inclusos (com 40% cobrindo o pagamento do resgate);
  • 94% das organizações com seguro cibernético disseram que a experiência mudou nos últimos 12 meses, com demandas mais altas por medidas de segurança cibernética, políticas mais complexas ou caras e menos companhias oferecendo proteção de seguro.

O relatório está em “hxxps://www.sophos.com/en-us/content/state-of-ransomware”

Compartilhar:

Últimas Notícias