binary-4887768_1280.jpg

Vaultree recebe aporte de R$ 18 mi e inicia operações no Brasil

Startup irlandesa afirma que tecnologia de Encryption-as-a-Service (EaaS) elimina trade-offs entre segurança e desempenho
Da Redação
04/11/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A Vaultree, startup irlandesa que fornece soluções segurança cibernética no modelo de criptografia como serviço (EaaS – Encryption-as-a-Service) e privacy-enhancing technology (PET, ou tecnologia para aumentar a privacidade, em tradução livre), acaba de receber um aporte de R$ 18 milhões para investimento inicial em sua solução de segurança de dados. O financiamento também marca o início das operações da empresa ao Brasil.

A rodada de investimento foi liderada pela Ten Eleven Ventures, além de outros investidores como a Enterprise Ireland, Unpopular Ventures, HBAN e John N. Stewart, ex-chefe de segurança e diretor de confiança da Cisco Systems.

De acordo com Tilo Weigandt, sócio fundador da Vaultree, a empresa está começando uma nova era de proteção de dados com soluções EaaS e PET, trazendo o primeiro produto de prateleira para segurança de informações sensíveis. “Com esse financiamento, a Vaultree continuará desenvolvendo um produto pronto para o mercado, fornecendo aos clientes uma solução de armazenamento cibernético, proteção de dados totalmente criptografados, escalável, rápido e fácil de usar”, diz ele, acrescentando que a equipe da startup continuará crescendo, com novas contratações para a equipe de engenharia, criptografia, vendas e atendimento ao cliente.

Veja isso
Como a criptografia se defenderá da computação quântica
Mercado de criptografia para e-mail triplicará em apenas cinco anos

A plataforma da empresa usa tecnologias Enhanced Searchable Symmetric Encryption (ESSE) — tecnologia própria com patente pendente — e Fully Homomorphic Encryption (FHE) e, segundo ela, permite que empresas trabalhem com dados totalmente criptografados sem precisar descriptografá-los e realizando o processamento sem quebra de proteção e sem revelar as informações sigilosas.

Segundo Weigandt, além de outros mercados estratégicos no mundo, a startup escolheu o Brasil para iniciar suas operações por ser um dos países mais promissores da América Latina em inovação e, consequentemente, com maiores possibilidades de ataques de hackers e vazamento de dados. “Conseguimos desenvolver um produto de manuseio simples e que se integra facilmente aos sistemas de segurança, e vimos no Brasil e nas diretrizes da LGPD um mercado em potencial que tem semelhança com a filosofia da Vaultree de um “amanhã criptografado.”

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)