Usuário do Gmail nos EUA já pode pesquisar ID na dark web

Da Redação
10/05/2023

O Google agora está permitindo que os usuários do Gmail nos EUA realizem varreduras para saber se seu ID do Gmail aparece na dark web. O anúncio foi feito pelo gigante da internet nesta quarta-feira, 10, no Google I/O, sua conferência anual de desenvolvedores.

O recurso foi anunciado inicialmente em março, quando a empresa liberou apenas para usuários do Google One. Ele permite que os usuários realizem varreduras e recebam um relatório informando se suas informações, incluindo nome, endereço, endereço de e-mail, número de telefone e número do seguro social, aparecem em portais da dark web.

Essas informações normalmente acabam na dark web após uma violação de dados (os cibercriminosos são conhecidos por compartilhar ou negociar informações de identificação pessoal roubadas em fóruns clandestinos), mas também podem ser coletadas de bancos de dados disponíveis publicamente.

Com o relatório da dark web ativado, os usuários são notificados automaticamente quando informações correspondentes são encontradas. O Google também fornecerá orientações sobre como proteger as informações expostas.

“Por exemplo, se o seu número de Seguro Social foi encontrado na dark web, podemos sugerir que você o denuncie como roubado ao governo ou tome medidas para proteger seu crédito”, observou o Google em uma postagem no blog corporativo, em março.

Hoje, o Google anunciou que “qualquer pessoa com uma conta do Gmail nos EUA poderá fazer varreduras para ver se [seu] endereço do Gmail aparece na dark web e receber orientações sobre quais ações tomar para se proteger”.

Veja isso
GMail bloqueia mais de 240 milhões de spams por dia sobre coronavírus
Gmail aponta grupo russo por ataque a 14 mil usuários

O gigante da internet diz que planeja disponibilizar o relatório da dark web para os mercados internacionais em breve.

Hoje, o Google também anunciou uma nova ferramenta ‘Sobre esta imagem’ para fornecer aos usuários um contexto sobre o conteúdo visual que eles encontram on-line, junto com proteções de spam expandidas no Google Drive para ajudar os usuários a se protegerem de conteúdo potencialmente indesejado ou abusivo e uma nova opção para excluir pesquisas recentes no Google Maps.

Para ajudar as plataformas e organizações a manter as crianças mais seguras online, a gigante da internet está expandindo sua API de segurança de conteúdo, que está disponível publicamente desde 2018, para incluir potencial CSAM (material de abuso sexual infantil) em conteúdo de vídeo.

Compartilhar: