Unimed gaúcha confirma ataque, mas refuta pagar resgate 

Cooperativa médica, sediada no Vale do Taquari, uma das áreas mais afetada pela catástrofe climática que assola o Rio Grande do Sul, foi vítima de criminosos em março
Da Redação
13/05/2024

A Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo (Unimed VTRP) confirmou que foi vítima de um ataque cibernético. Em um comunicado enviado ao CISO Advisor, a cooperativa médica gaúcha diz que, no momento do ataque, “restabeleceu todos os serviços afetados pelo ato criminoso e preservou os atendimentos sem maiores impactos”.

Nos dias seguintes ao ataque, que teria ocorrido em março, a Unimed VTRP diz ter seguido todos os protocolos e diretrizes necessárias de acordo com a legislação e as melhores práticas do mercado, reportando a todos os órgãos e entidades competentes, bem como registro de ocorrência na Polícia Civil. “Desde o primeiro momento a cooperativa agiu de acordo com a legislação e com total transparência com todos os públicos de relacionamento. A Unimed VTRP foi vítima de criminosos digitais, e está se colocando à disposição para acolher as demandas que chegarem em relação ao tema”, diz o comunicado.

A nota esclarece ainda que, ao longo do período, houve monitoramento da situação do incidente e na última quarta-feira, 8, a cooperativa identificou que dados foram expostos. “Mesmo enfrentando a catástrofe, que ceifou vidas e destruiu cidades inteiras no Vale do Taquari, onde fica a sede da Unimed VTRP, imediatamente ao ocorrido, foram iniciados processos e procedimentos de segurança com consultorias especializadas buscando mitigar ao máximo qualquer tipo de impacto com os públicos de relacionamento da cooperativa”, diz o comunicado. “A Unimed VTRP reforça o compromisso com a segurança dos dados dos clientes e parceiros, práticas que seguem as diretrizes estabelecidas pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).”

Veja isso
Grupo vende dados que diz serem de unidade gaúcha da Unimed
Sistemas da Unimed Cuiabá estão há uma semana fora do ar

As atualizações sobre o incidente serão publicadas na página: unimedvtrp.com.br/incidente-cibernetico. Na página, criada para atualizar os públicos de relacionamento sobre o incidente, a instituição refuta qualquer possibilidade de pagamento de resgate. “Não haverá pagamento de resgate de qualquer natureza. A Unimed VTRP não negocia com criminosos. Como política, a cooperativa não será sujeita a resgate, uma vez que o pagamento de tais exigências financia atividades criminosas e permite que os operadores da ameaça perpetuem os seus ataques.” “Em vez disso, acreditamos que a melhor decisão é ser transparente com todos os nossos públicos de relacionamento e abrir este canal de comunicação para responder a quaisquer questionamentos.”

Na mesma página, a cooperativa afirma que segue monitorando os ambientes e poderá, na eventualidade de identificar alguma informação relevante, emitir novas comunicações diretamente aos titulares dos dados. Por fim, reforça que a página é o principal ponto de contato para responder aos questionamentos de seus públicos de relacionamento.

Compartilhar:

Últimas Notícias