Alemanha Germany Uniao Europeia

UE impõe sanções à Rússia por ataque em 2015 ao parlamento alemão

Sanções foram aplicadas à diretoria de inteligência russa e dois de seus funcionários: Dmitry Badin e Igor Kostyukov
Da Redação
23/10/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A União Europeia anunciou ontem as sanções a dois militares russos por causa de um ciberataque ocorrido em 2015 contra o parlamento alemão, no qual uma “quantidade significativa de dados foi roubada”. O Conselhoda UE disse em um comunicado que impôs proibições de viagens e congelamento de ativos contra Igor Kostyukov, o chefe da agência de inteligência militar da Rússia (GRU), e Dmitry Badin, um oficial de inteligência militar de 29 anos, do 85º Centro Especial de GRU Serviços, ambos também procurados por autoridades dos EUA.

“O ataque cibernético contra o parlamento federal alemão teve como alvo o sistema de informação do parlamento e afetou seu funcionamento por vários dias. Uma quantidade significativa de dados foi roubada e contas de e-mail de vários parlamentares e da chanceler Angela Merkel foram afetadas”, disse o comunicado da UE.

Veja isso
Rússia tem arma de ataque em massa à IoT, acusam hackers
Ataques levam UE a medidas contra Rússia, China e Coréia do Norte

O 85º Centro Principal de Serviços Especiais – também conhecido como “unidade militar 26165”, “Fancy Bear” ou “Tempestade de peões” – também foi sancionado. A UE disse que a agência “é responsável por ataques cibernéticos com um efeito significativo que constitui uma ameaça externa para a União ou seus estados membros”.

A Rússia negou estar por trás de qualquer um desses ataques.

As sanções significam que as pessoas ou entidades da UE estão proibidas de disponibilizar fundos às pessoas listadas. A UE adotou a chamada “caixa de ferramentas da diplomacia cibernética” para “prevenir, desencorajar, impedir e responder à continuação e ao aumento do comportamento malicioso no ciberespaço” em maio de 2019.

As primeiras sanções foram emitidas em julho de 2020 e afetaram seis pessoas, incluindo dois cidadãos chineses e quatro russos, bem como três entidades da China, Rússia e Coreia do Norte.

Eles foram acusados ​​de participar de uma tentativa de hack contra a OPCW, a “Operação Cloud Hopper”, que teve como alvo multinacionais em todo o mundo, e o ataque “WannaCry”, que teve como alvo serviços governamentais e corporativos em todo o mundo com ransomware.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório