attack-1654734_1280-1.jpg

Trump liberou CIA para fazer ciberataques onde bem entender

Com essa autorização, a agência tem feito ataques ao Irã, China, Rússia e Coreia do Norte
Da Redação
16/07/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A CIA está envolvida secretamente em operações de guerra cibernética, incluindo operações de hacking e vazamentos, com pouca ou nenhuma supervisão, segundo entrevista de um funcionário do governo americano em entrevista ao Yahoo News. O funcionário revelou que as operações foram autorizadas pelo presidente Trump e decorrem de um memorando presidencial de segurança nacional (o NSPM número 13) assinado em 2018. A existência do documento é conhecida, mas seu conteúdo permanece secreto. Foi oficialmente descrito como autorizando “operações cibernéticas ofensivas”.

As operações secretas são voltadas principalmente para o Irã, China, Rússia e Coréia do Norte, disse a fonte. Na época, o NSPM 13 causou preocupação entre os especialistas, principalmente porque removeu muitas das restrições introduzidas pelo governo Obama. Sabe-se agora que as operações incluíram a divulgação dos detalhes de 15 milhões de cartões de débito pertencentes a clientes de bancos iranianos.

Veja isso
CIA controlou fornecedor de criptografia até 2018
Busca no Google revelou rede secreta da CIA

O memorando diz que a CIA pode autorizar suas próprias operações cibernéticas secretas, em vez de obter aprovação da Casa Branca ou discutir planos com outros departamentos. A fonte chamou o memorando de “muito agressivo” e “um veículo para revidar”.

O que é pior, de acordo com a entrevista, é que a CIA pode lançar uma ofensiva cibernética mesmo sem provas de que o o alvo esteja realizando atividades em nome dos serviços de inteligência de outros países. Ela apenas precisa ter uma forte suspeita. O memorando também aprova operações rejeitadas por administrações anteriores, incluindo vazamento ou exclusão de dados bancários. O dump dos cartões de débito pertencentes a clientes de três bancos iranianos vinculados à Guarda Revolucionária Islâmica do Irã em novembro passado foi quase certamente uma operação da CIA, afirmou a fonte.

A fonte da entrevista disse que embora no passado o governo tenha discutido operações similares, elas foram descartadas ou limitadas. No cosa de exposição de informações financeiras, a fonte disse que os funcionários do Tesouro sempre rejeitaram esses planos, porque temiam danificar o sistema financeiro global.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório