quantum-computer-3831794_1280-e1603114023841.jpg

Toshiba prevê receita de US$ 4,2 bi com criptografia quântica até 2030

Empresa se associou à Verizon nos EUA e ao BT Group na Grã-Bretanha em projetos piloto de QKD, e está em negociações com outra operadora na Coréia do Sul
Da Redação
19/10/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A japonesa Toshiba espera obter US$ 3 bilhões em receita até 2030 com sua tecnologia criptográfica avançada para proteção de dados, embora ainda lute para encontrar formas de impulsionar os negócios, informa a agência de notícias Reuters.

A tecnologia de segurança cibernética, chamada distribuição de chave quântica (QKD), aproveita os conceitos da física quântica para fornecer a duas partes remotas chaves criptográficas que são imunes a ataques cibernéticos realizados a partir de computadores quânticos.

A Toshiba espera que o mercado global de QKD movimente US$ 12 bilhões em dez anos com o avanço dos computadores quânticos, cujo enorme poder computacional poderá facilmente decifrar chaves criptográficas baseadas em matemática convencional usada comumente em finanças, defesa e saúde.

Veja isso
Computação quântica ameaça segurança cibernética
Criptografia: o que muda com a computação quântica – Parte 1

A empresa espera atender à demanda global por tecnologias criptográficas avançadas, uma vez que a segurança cibernética passou a ser a vanguarda da defesa nacional. A China está expandindo agressivamente a infraestrutura de rede para QKD, incluindo satélites quânticos que transmitem sinais quânticos.

A empresa disse que se associou à Verizon Communications nos Estados Unidos e ao BT Group na Grã-Bretanha em projetos piloto de QKD, e está em negociações com outra operadora de telecomunicações na Coréia do Sul.

Desde uma crise decorrente da falência do negócio de energia nuclear dos EUA em 2017, a Toshiba promoveu uma grande reestruturação, que incluiu a venda de seus negócios de laptops e televisores. Agora, a empresa está se concentrando em negócios de infraestrutura pública que são resilientes a crise econômica global causada pelo surto de coronavírus.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest