telegram-6160479_1280.png 18 de abril de 2021 395 KB 1280 por 853 píxeis Editar imagem Excluir permanentemente

Telegram se torna novo host para cibercriminosos

Aplicativos de mensagens está sendo explorado para atividades maliciosas, como ransomware, hacking de dados
Da Redação
21/09/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O Telegram é um dos aplicativos de mensagens instantâneas de crescimento mais rápido na atualidade. Com uma interface de usuário muito simples, o app começou a ganhar popularidade há cerca de dois ou três anos. Embora, apenas mensagens não sejam o caso do Telegram, ele está sendo explorado por muitos cibercriminosos como uma plataforma onde eles podem tentar atividades maliciosas, como crimes cibernéticos, ransomware, hacking de dados, etc.

Segundo relatos, o Telegram tem mais de 500 milhões de usuários ativos e teve 1 bilhão de downloads em agosto.

Uma investigação da Cyberint, um grupo de inteligência cibernética, junto com o jornal britânico Financial Times, encontrou uma rede de hackers compartilhando vazamentos de dados, em grupos ou canais, de milhares de assinantes. O conteúdo é conhecido por ser encontrado na dark web, acessado por muitos hackers usando software oculto.

“Recentemente, testemunhamos um aumento de mais de 100% no uso do Telegram por cibercriminosos”, disse Tal Samara, analista de ciberameaças da Cyberint, em um comunicado.

Veja isso
Hackers usam Telegram para compartilhar vazamentos
Malware ladrão de criptomoeda é distribuído por meio do Telegram

A principal razão para esse aumento foram as regras de criptografia alteradas e aprimoradas pelo maior rival, o WhatsApp, que tornou difícil transportar tais crimes nele. É por isso que os hackers agora estão migrando para o Telegram.

A incidência de crime cibernético é relatada em que um canal chamado “Combolist”, com mais de 47 mil assinantes, com informações confidenciais, tais como nomes de usuários e senhas vazadas de inúmeras pessoas. Acredita-se que alguns dos dados contêm os nomes e IDs de vários gamers que utilizam o Minecraft, Origin ou Uplay.

O Telegram supostamente removeu este canal da plataforma alguns dias atrás, mas é um dos muitos canais que estão por aí, fazendo exatamente as mesmas atividades criminosas. Embora o Telegram esteja atualizando vigorosamente suas políticas de privacidade, esse esquema de crimes cibernéticos está se espalhando a um ritmo alarmante. Recentemente o app removeu mais de 10 mil contas da plataforma que foram consideradas suspeitas.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest