Symantec e OEA lançam relatório sobre cibersegurança

Paulo Brito
23/07/2014

oeaA Organização dos Estados Americanos (OEA) apresentou ontem na reunião preparatória da sua Assembléia Geral em Assunção, Paraguai, o relatório "Tendências em segurança cibernética na América Latina e no Caribe", preparado em cooperação com a empresa Symantec. O documento ilustra e analisa os últimos desenvolvimentos em cibersegurança e cibercrime na região. O secretário de Segurança Multidimensional da OEA, Adam Blackwell, disse que a publicação "satisfaz a necessidade dos nossos Estados-Membros em receber informações precisas e detalhadas sobre as ameaças de segurança cibernética no Hemisfério ". Blackwell destacou que os desafios de segurança cibernética devem ser tratados com "dinamismo e cooperação com o setor privado, ficando a sociedade civil a desempenhar um papel crítico na proteção da internet e da luta contra o cibercrime. Ele lembrou que "os Estados-Membros reconheceram a importância das parcerias público-privadas para melhorar as nossas respostas às questões de segurança cibernética, e este relatório exemplifica o tipo de parcerias que precisamos cultivar", afirmou.  Cheri McGuire, vice-presidente de Política de Segurança Cibernética Global da Symantec para Assuntos Governamentais, disse: "Estamos orgulhosos de trabalhar com a OEA e seus Estados membros na elaboração deste relatório abrangente sobre as perspectivas para a segurança cibernética na América Latina e no Caribe". Além disso, observou que "a América Latina e o Caribe é uma das regiões com maior adoção da Internet, uma situação que pode levar a maiores desafios em segurança cibernética. As parcerias entre os setores público e privado, como fizemos no caso deste relatório, são fundamentais para gerar uma maior consciência dos riscos cibernéticos, a fim de melhor proteger os cidadãos, infra-estrutura crítica e combate o cibercrime ". O vice-ministro da Defesa do Paraguai, Picagua Victor Araujo, disse que "o ciberespaço certamente faz parte de qualquer disputa que possa ocorrer no futuro. O grande desafio para o setor é decidir quais são as ameaças para ajudar a projetar planos estratégicos para a defesa contra esses ataques. Os países devem começar a pensar em como reduzir as ameaças", concluiu Araujo, já que "o principal desafio para os países das Américas é o desenvolvimento de capacidades tecnológicas para ter sistemas mais eficientes na prevenção e resposta a várias ameaças. David Ocampos, ministro da Secretaria Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação (SENATICs) do Paraguai, agradeceu a contribuição da OEA, uma vez que "proporcionou em pouco tempo a troca de experiências entre os países" para definir políticas de cibersegurança, especialmente no âmbito da iniciativa do Estado.  As conclusões do relatório sobre a região destacam que "os usuários estão sofrendo o impacto das ameaças de tendência global, e de outras características de cada região. Em agravamento desse desafio", continua o relatório, "a América Latina e o Caribe têm a população de usuários de Internet que mais cresce no mundo, com um aumento de 12 por cento sobre o ano passado". Ele identifica cinco principais tendências que afetam a região: o aumento na violação de dados; ataques direcionados; golpes em mídias sociais; o uso trojans para roubar contas bancárias; e os grandes eventos que atraem cibercriminosos, como a Copa do Mundo.  O relatório inclui contribuições da Microsoft, da Comunidade de Polícias da América (AMERIPOL) e outras organizações como a Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN), o Registro de Endereçamento da Internet para América Latina e Caribe (LACNIC), o Anti-Phishing Working Group (APWG) e outros parceiros da sociedade civil e do setor privado.  O relatório está em  http://www.symantec.com/content/en/us/enterprise/other_resources/b-cyber-security-trends-report-lamc-annex.pdfA Organização dos Estados Americanos (OEA) apresentou ontem na reunião preparatória da sua Assembléia Geral em Assunção, Paraguai, o relatório “Tendências em segurança cibernética na América Latina e no Caribe”, preparado em cooperação com a empresa Symantec. O documento ilustra e analisa os últimos desenvolvimentos em cibersegurança e cibercrime na região. O secretário de Segurança Multidimensional da OEA, Adam Blackwell, disse que a publicação “satisfaz a necessidade dos nossos Estados-Membros em receber informações precisas e detalhadas sobre as ameaças de segurança cibernética no Hemisfério “. Blackwell destacou que os desafios de segurança cibernética devem ser tratados com “dinamismo e cooperação com o setor privado, ficando a sociedade civil a desempenhar um papel crítico na proteção da internet e da luta contra o cibercrime. Ele lembrou que “os Estados-Membros reconheceram a importância das parcerias público-privadas para melhorar as nossas respostas às questões de segurança cibernética, e este relatório exemplifica o tipo de parcerias que precisamos cultivar”, afirmou.

Cheri McGuire, vice-presidente de Política de Segurança Cibernética Global da Symantec para Assuntos Governamentais, disse: “Estamos orgulhosos de trabalhar com a OEA e seus Estados membros na elaboração deste relatório abrangente sobre as perspectivas para a segurança cibernética na América Latina e no Caribe”. Além disso, observou que “a América Latina e o Caribe é uma das regiões com maior adoção da Internet, uma situação que pode levar a maiores desafios em segurança cibernética. As parcerias entre os setores público e privado, como fizemos no caso deste relatório, são fundamentais para gerar uma maior consciência dos riscos cibernéticos, a fim de melhor proteger os cidadãos, infra-estrutura crítica e combate o cibercrime “. O vice-ministro da Defesa do Paraguai, Picagua Victor Araujo, disse que “o ciberespaço certamente faz parte de qualquer disputa que possa ocorrer no futuro. O grande desafio para o setor é decidir quais são as ameaças para ajudar a projetar planos estratégicos para a defesa contra esses ataques. Os países devem começar a pensar em como reduzir as ameaças”, concluiu Araujo, já que “o principal desafio para os países das Américas é o desenvolvimento de capacidades tecnológicas para ter sistemas mais eficientes na prevenção e resposta a várias ameaças. David Ocampos, ministro da Secretaria Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação (SENATICs) do Paraguai, agradeceu a contribuição da OEA, uma vez que “proporcionou em pouco tempo a troca de experiências entre os países” para definir políticas de cibersegurança, especialmente no âmbito da iniciativa do Estado.

As conclusões do relatório sobre a região destacam que “os usuários estão sofrendo o impacto das ameaças de tendência global, e de outras características de cada região. Em agravamento desse desafio”, continua o relatório, “a América Latina e o Caribe têm a população de usuários de Internet que mais cresce no mundo, com um aumento de 12 por cento sobre o ano passado”. Ele identifica cinco principais tendências que afetam a região: o aumento na violação de dados; ataques direcionados; golpes em mídias sociais; o uso trojans para roubar contas bancárias; e os grandes eventos que atraem cibercriminosos, como a Copa do Mundo.

O relatório inclui contribuições da Microsoft, da Comunidade de Polícias da América (AMERIPOL) e outras organizações como a Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN), o Registro de Endereçamento da Internet para América Latina e Caribe (LACNIC), o Anti-Phishing Working Group (APWG) e outros parceiros da sociedade civil e do setor privado.

O relatório está em

http://www.symantec.com/content/en/us/enterprise/other_resources/b-cyber-security-trends-report-lamc-annex.pdf

Compartilhar:

Últimas Notícias