entrepreneur-593371_1280.jpg

Só 41% das equipes estão prontas para segurança remota

Da Redação
03/05/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Esta é a porcentagem que líderes de tecnologia apontam de equipes de segurança cibernética em condições de realizar suas funções de maneira eficaz enquanto trabalham em casa

Uma nova pesquisa da ISACA, associação internacional que desenvolve metodologias e certificações para auditoria e controle em sistemas de informação, descobriu que apenas 41% das equipes de segurança cibernética estão equipadas para realizar seus trabalhos de maneira eficaz enquanto trabalham em casa.

A descoberta surgiu de recente estudo sobre o trabalho remoto em razão da covid-19, no qual mais de 3.700 profissionais de auditoria, governança e segurança cibernética de TI de 123 países foram questionados sobre o impacto da crise global da saúde em suas organizações e em seus próprios empregos.

Somente 51% dos profissionais e líderes de tecnologia consultados ​​disseram estar “altamente confiantes” de que suas equipes de segurança cibernética estavam prontas para detectar e responder ao aumento de ataques de segurança cibernética que acompanhou a disseminação do novo coronavírus.

Veja isso
Equipes de cyber perdem férias eventos para tratar incidentes
Trabalho remoto e riscos das VPNS como garantir sua segurança

A pesquisa, realizada em meados de abril, constatou que a rápida transição de funcionários para o trabalho remoto desencadeada por medidas de isolamento para retardar a disseminação da covid-19 tornou as empresas mais vulneráveis ​​às ameaças à segurança cibernética.

Embora 80% das organizações compartilhem as melhores práticas de risco cibernético para trabalhar em casa quando os pedidos de segurança no local começaram, 87% dos entrevistados disseram que a rápida transição para o trabalho remoto aumentou a proteção de dados e o risco de privacidade.

Isso representa um problema, pois 58% dos entrevistados dizem que os operadores de ameaças estão tirando vantagem da pandemia para perturbar as organizações e 92% dizem que os ataques cibernéticos a indivíduos estão aumentando.

“As organizações estão avançando rápida e agressivamente em direção a novas maneiras de fazer negócios durante esse período, o que é uma coisa muito positiva, mas também pode levar a compromissos que podem deixá-los vulneráveis ​​a ameaças”, disse David Samuelson, CEO da ISACA, em entrevista à Infosecurity.

“Um aumento no número de trabalhadores remotos significa que há uma maior superfície de ataque. O trabalho remoto é de extrema importância no momento, portanto, a segurança deve estar na vanguarda, juntamente com a educação dos funcionários. Os profissionais da ISACA têm um papel especialmente crítico a desempenhar na proteção de suas empresas, clientes e partes interessadas durante esta pandemia.”

Questionados sobre a segurança de seus empregos, 10% dos entrevistados temiam que pudessem ser demitidos como resultado da pandemia e 1% dos entrevistados estavam de licença temporária. A maioria dos entrevistados previu que as operações comerciais normais serão retomadas neste terceiro trimestre.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest