Sistema coleta provas digitais para uso forense

Paulo Brito
04/10/2018
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A iVeris, uma startup de Maringá (PR), está lançando um sistema capaz de coletar, com facilidade, provas digitais com qualidade forense. Ele serve para que vítimas de problemas nos ambientes online consigam documentar o que acontece durante uma navegação e utilizem esse material como prova em denúncias criminais ou processos jurídicos. Chamado também de iVeris, o sistema opera numa plataforma no endereço www.iveris.com.br e neste momento está em fase beta, ainda aceitando beta testers que podem testar o sistema sem pagar nada.

Alexandre Munhoz, um dos diretores da empresa, explica que o sistema foi planejado para permitir que mesmo pessoas sem experiência consigam coletar provas com grande facilidade. Vários detalhes geralmente só acessíveis a profissionais de TI são capturados e gravados. Entre esses detalhes estão os principais metadados de uma navegação, diz o diretor da iVeris, tais como codigo fonte de páginas, recursos acessados, dados do dominio e certificado da criptografia da sessão. “A única coisa que não coletamos é o cache do browser, para não criar um problema de privacidade para a pessoa que está coletando as provas”, explica Alexandre.

Uma das motivações para o desenvolvimento do sistema, explica, foi a dificuldade de obter e também o preço das atas notariais. Uma ata notarial, segundo ele, é uma descrição, feita em cartório, por exemplo de uma conversa por WhatsApp, seja por meio de texto ou de voz. “Na verdade ali o tabelião está vendendo seu testemunho e isso custa caro. Mas toma tempo da vítima, demora para ser feito. E um trabalho desses pode custar 425 Reais pela primeira página e 227 para cada página adicional”, acrescenta. Outro problema das atas notariais é que só pode ser feita em horário comercial. Agora uma pessoa pode mandar uma gravação que desaparece depois de 20 minutos, então fica impossível obter uma ata”, explica.

Para registrar uma prova, basta que a pessoa inicie uma captura na ferramenta e navegue dentro dela, da mesma forma que faria em seu browser. Tudo é feito de forma segura e com medidas anti fraude dentro dos servidores da iVeris. Ao final, o usuário tem disponível até quatro arquivos com os dados registrados, em destaque o laudo PDF com assinatura certificada com chaves públicas, que protege a integridade da prova no tempo. Alexandre Munhoz diz que em breve iniciará o serviço à um valor reduzido, de R$19 à R$25 para uma sessão de até 30 minutos.

 

 

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest