Siderúrgica do Irã paralisada após ataque cibernético

Da Redação
27/06/2022

O jornal Times of Israel informou hoje que uma das maiores empresas siderúrgicas do Irã foi forçada a interromper sua produção porque foi atingida por um ataque cibernético. Segundo a agência russa Sputnik, a estatal Khuzestan Steel Company informou em nota que especialistas decidiram pela paralisação da usina “devido a problemas técnicos” após “ataques cibernéticos”. No momento em que esta notícia foi publicada pelo CISO Advisor o site da empresa estava fora do ar.

A Khuzestan Steel Company, com sede em Ahvaz, província rica em petróleo do sudoeste do Khuzestan, tem o monopólio da produção de aço no Irã, juntamente com duas outras grandes empresas estatais. Pesquisadores da Check Point informaram na manhã de 28 de Junho ter encontrado arquivos relacionados ao ataque: “A análise inicial mostra que o malware está conectado aos ataques contra a Iran Railways no ano passado” informaram eles no Twitter da Check Point Research.

Embora a análise ainda esteja em andamento, os pesquisadores adiantam que se trata do malware “Chaplin.exe”, na verdade um wiper.

Veja isso
Proteção de OT caminha a passos muito lentos
UE terá nova diretiva de segurança para infraestruturas críticas

O CEO da siderúrgica, Amin Ebrahimi, afirmou que a empresa conseguiu evitar danos estruturais nas linhas de produção que impactariam as cadeias de suprimentos e os clientes. A empresa não culpou nenhum grupo específico pelo ataque. Em um incidente semelhante no ano passado, um ataque cibernético à distribuição de combustível do Irã paralisou postos de gasolina em todo o país, levando a longas filas de motoristas furiosos. Também recentemente, estações de trem no Irã exibiram falsas mensagens de atraso após um ataque, câmeras de vigilância no país foram hackeadas e sites estatais foram interrompidos.

O governo considera o aço um setor crucial. O Irã é o maior produtor de aço do Oriente Médio e está entre os dez maiores do mundo. Suas minas de ferro fornecem matéria-prima para a produção nacional e a de dezenas de países, incluindo Itália, China e Emirados Árabes Unidos.

Compartilhar: