oil-platform-484859_640.jpg

Setor de óleo e gás eleva gastos com cibersegurança

Da Redação
17/02/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Pesquisa da Accenture mostra que grandes organizações de petróleo e gás investiram pesado em cibersegurança no ano passado para melhorar suas capacidades de detecção e prevenção de ameaças

oil-platform-484859_640.jpg

Muitas organizações upstream de petróleo e gás investiram em segurança cibernética no ano passado, em um esforço para melhorar suas capacidades de detecção e prevenção de ameaças, de acordo com uma pesquisa realizada pela empresa de serviços profissionais Accenture.

O levantamento, realizado na primavera de 2019, incluiu respostas de 255 indivíduos em 47 países. Entre os entrevistados há executivos, gerentes, profissionais de TI e engenheiros de empresas nacionais e internacionais de petróleo, empresas independentes de petróleo e prestadores de serviços de campos petrolíferos.

Os resultados, publicados pela Accenture nesta semana, mostram que 61% dos entrevistados investiram em segurança cibernética em 2019 mais do que em qualquer outra tecnologia digital. Isso é significativamente maior do que em 2017, quando apenas 12% dos participantes disseram estar investindo em segurança cibernética.

Quando perguntados sobre as tecnologias digitais em que sua organização planeja investir nos próximos 3-5 anos, apenas 35% citaram a segurança cibernética, o que ainda é uma melhoria em relação a 2017, quando 24% disseram que planejavam investir em segurança cibernética no período. longo prazo.

A segurança cibernética também foi a principal resposta citada por 16% dos entrevistados, como a tecnologia digital que gera o maior impacto em termos de desempenho dos negócios, ante 9% em 2017.

Em 2017, quando perguntados sobre o maior risco para seus negócios devido à falta de investimentos digitais, 18% citaram maior vulnerabilidade a ataques cibernéticos. Em 2019, no entanto, apenas 5% estavam mais preocupados com ataques cibernéticos.

A Accenture acredita que isso é resultado do aumento do investimento em segurança cibernética e também explica por que apenas 35% dos entrevistados disseram que suas organizações planejam investir em segurança cibernética a longo prazo.

“À medida em que as operações das empresas de petróleo estão sob crescente ameaça, a resiliência cibernética se torna mais importante para as partes interessadas, consumidores e governo”, disse Rich Holsman, diretor administrativo da Accenture. “O gerenciamento de ataques não é apenas uma questão de proteger a reputação, o preço das ações e as operações, mas faz parte de uma maior responsabilidade pelos serviços e segurança nacionais. As empresas upstream devem continuar a investir de maneira cuidadosa e substancial em medidas de segurança cibernética, pois muitas vezes subestimam sua exposição a esses ataques, que também estão aumentando em complexidade técnica. ”

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest