Seguro cyber: preços maiores, cobertura menor

Não apenas estão elevando o custo dos serviços, mas também estão se tornando rígidas na seleção de empresas para as quais vendem cobertura
Da Redação
06/06/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

As seguradoras globais que oferecem apólices para a cobertura de riscos cibernéticos estão fazendo muito dinheiro no setor de tecnologia da informação: o volume de vendas continua crescendo a dois dígitos por ano, mas o volume de indenizações está crescendo e por isso elas estão limitando as coberturas e tornando-se mais rígidas na seleção dos clientes. A causa desse movimento é a elevação do risco, concretizado pelos ataques bem-sucedidos de ransomware contra empresas de grande importância, entre as quais a JBS (Brasil), a Colonial Pipeline (EUA) e a FujiFilm (Japão). Como a escala e a frequência dos ataques cibernéticos aumentaram drasticamente nos últimos meses, o custo do seguro contra riscos cibernéticos disparou. Do início de abril a meados de maio de 2021, o custo do seguro aumentou 27% com relação ao ano anterior, de acordo com a seguradora britânica Aon.

Os 10 maiores em venda de seguros cibernéticos em 2020

Fonte: S&P Global Market INtelligence. Clique para ampliar

Nos Estados Unidos, boa parte das empresas tem a cobertura para se defender dos ataques de ransomware. A organização atingida recebe não apenas fundos para pagar o resgate como também para reembolsar os danos causados ​​pelo ataque e pagar pelos serviços de recuperação dos dados criptografados.

Veja isso
Prêmio de seguro cibernético subiu até 30%
Seguro cibernético não cobre ameaças atuais e trabalho remoto

As seguradoras não apenas agregam valor aos seus serviços. Elas também estão mais vigilantes quanto ao controle sobre as empresas para as quais vendem a cobertura. Para a seguradora americana AIG, a abordagem de subscrição mais dura, introduzida este ano, começa com 25 perguntas detalhadas adicionais sobre a segurança do cliente.

“Se tiverem um nível muito, muito baixo de controle, podemos nem mesmo aceitar cobertura. Mas basicamente limitamos a proteção que oferecemos; portanto, se os clientes não atenderem ao nível de controle exigido, teremos de reduzir pela metade nosso limite para ransomware”, disse Tracie Grella, chefe de seguro cibernético da AIG numa entrevista ao Financial Times. Grella explica que para esses clientes é utilizado o chamado co-seguro, que prevê o compartilhamento de sinistros com o cliente. As seguradoras também estão cortando a cobertura de alguns setores específicos, como saúde e educação, de acordo com um relatório de maio de 2020 do US Audit Office.

O Grande Incêndio em Londres em 1666 foi um grande impulso para o desenvolvimento do mercado de seguros imobiliários. Temendo perder tudo no caso de uma repetição do desastre, os londrinos correram para garantir tudo e todos. Como os bombeiros do governo ainda não existiam naquela época, algumas seguradoras contrataram seus próprios bombeiros por considerarem que seria mais lucrativo para eles salvar uma propriedade do incêndio do que pagar um seguro.

De acordo com Graeme Newman, diretor de inovação da seguradora CFC, com sede em Londres, a situação no seguro contra riscos cibernéticos é quase a mesma. Em conexão com uma série de ataques cibernéticos importantes recentes contra grandes empresas e organizações, as seguradoras não só pagam às vítimas indenizações pelos danos, mas também fornecem serviços de resposta de emergência a incidentes. Em outras palavras, eles têm seus próprios “caminhões de bombeiros” para lidar com emergências no ciberespaço, observou Newman.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest