É preciso migrar para a cibersegurança on-demand

Oscar Chávez-Arrieta
05/11/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Por Oscar Chávez-Arrieta (*)

Nos últimos anos, várias empresas e setores estiveram preocupados em transformar seus negócios digitalmente para permanecer na vanguarda e na competição do mercado por meio da implementação de tecnologia. Importante observar que não todas, pois as PMEs têm se mostrado  mais reticentes. Mas, dentro dessa necessária transformação digital, um aspecto crucial é a segurança cibernética de próxima geração, já que as empresas enfrentam ameaças inteligentes e em constante mudança que às vezes são difíceis de detectar e  que causam um alto impacto em seus negócios.

Acredito que o cenário do COVID-19, apesar dos efeitos que trouxe globalmente, representa uma oportunidade de acelerar a transformação digital com novas tendências na adoção de tecnologias, incluindo a cibersegurança e outras soluções para  proteção. Neste contexto, estamos na era da adoção On Demand e ‘Tudo como um serviço’ (XaaS), ou seja, aplicativos, soluções e software que são oferecidos como um serviço baseado em nuvem em vez da compra tradicional de licenciamento e hardware. 

Além de necessária, a adaptação da segurança cibernética a essas modalidades on-demand, na verdade, oferece várias vantagens. A segurança em serviço é constantemente adaptada às necessidades de um cliente, tais como novas ameaças, bem como à gestão e escalabilidade de uma solução.

A pandemia mudou radicalmente a forma como as pessoas trabalham —  por exemplo, uma empresa que hoje tem centenas de seus funcionários trabalhando de forma remota não precisará, necessariamente, desse mesmo número de licenças para o  próximo mês. Isso significa que as empresas precisam de parceiros que ofereçam serviços que se adaptem cada vez mais a esse novo e imprevisível cenário global.

Vale ressaltar que, segundo dados da Canalys divulgados em 2018, a cibersegurança como serviço teve um crescimento de 21% em relação aos serviços licenciados tradicionais, o que fez com que esse mercado atingisse o valor de 4 milhões de dólares.

Outro aspecto que torna a ‘Segurança como serviço’ conveniente é o grau de investimento. Talvez muitas empresas no momento não possam pagar uma licença anual, mas podem pagar um serviço sob um tipo de assinatura mensal que as ajudará a não negligenciar a segurança cibernética sem a necessidade de um investimento maior. De fato, de acordo com uma pesquisa da Deloitte, 38% dos líderes mundiais de TI veem como principal objetivo do XaaS a redução de custos que implica a adoção de soluções nesta modalidade.

Considero que a ‘Segurança como serviço’ permite a todas as entidades empresariais o acesso aos serviços de cibersegurança de última geração com tecnologia de ponta, pelo tempo que necessitem e de acordo com as suas demandas  particulares.

A segurança cibernética de ‘Tudo como serviço’ tem o potencial de oferecer os serviços de proteção mais avançados sem fazer um investimento extraordinário de uma só vez. Além disso, acreditamos que em seu nível mais alto não deve ser exclusiva de grandes corporações. Como vantagens, destacam-se a possibilidade de implementação de uma solução sem instalação, operação, manutenção e atualização de nenhum componente de hardware ou software, bem como o gerenciamento integral de plataformas a partir de uma única plataforma unificada.

Ainda entre os benefícios, esse formato permite que as empresas paguem assinatura por usuário, apesar de cada um dos colaboradores poder utilizar aparelhos diferentes, inclusive os próprios — algo que se acelerou em tempos de trabalho remoto. Isso significa uma redução significativa de custos, o que permite que PMEs e grandes corporações adaptem seus orçamentos atuais ao núcleo de seus negócios, sem descuidar da própria segurança e das informações de seus clientes, passando de um modelo de CAPEX para OPEX, e  eliminando variáveis como licenças, manutenção, consumo de armazenamento, entre outros. 

Além disso, segundo a Deloitte, a obtenção da cibersegurança como serviço reduz em até 80% o custo de transporte do tráfego da web nas redes e proporciona uma disponibilidade de proteção dos dados da organização de 99,99% para quem a contrata.

Em conclusão, ter tecnologia em serviço, incluindo soluções de cibersegurança, tem o potencial de oferecer às empresas maior eficiência nos resultados das soluções em comparação com a obtenção de uma forma estática. Os clientes e consumidores estão mudando seu comportamento de um senso de propriedade para um de serviço acessível e rápido, em todos os setores. Portanto, disponibilizar  esse acesso à tecnologia de uma maneira fácil e econômica com o XaaS beneficiará tanto o consumidor final quanto a empresa que a fornece.

* Oscar Chávez-Arrieta é VP da Sophos para a América Latina

Compartilhar:
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)