risk-1945683_1280.jpg

Risco de ameaças subiu 24%, diz estudo da Avast

Relatório de Risco Global para PCs analisa as ameaças para PCs bloqueadas em março e abril de 2021
Da Redação
19/08/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Está mais fácil os usuários corporativos se depararem com uma ameaça cibernética: a probabilidade de que isso aconteça aumentou em todo o mundo, segundo as estatísticas da Avast. A probabilidade aumentou de 11,25% para 13,9%. Entre um número e o outro existe um aumento de 24%. Esses números foram calculados pela Avast com base nas estatísticas dos endpoints que ela protege no mundo inteiro e fazem parte do último Relatório de Risco Global para PCs. O relatório analisa as ameaças para PCs bloqueadas em março e abril de 2021, e comparadas com o mesmo período em 2020. Em relação ao Brasil, relatório aponta a probabilidade de um usuário corporativo encontrar qualquer tipo de malware para PC é de 17,52%.

O risco do Brasil é bem inferior ao de outros países, como indicado na coluna da esquerda na tabela abaixo. As geografias com situações sócio-políticas mais conflituosas também parecem estar enfrentando mais riscos no mundo online. Os países asiáticos estão entre os principais, onde as empresas correm maior risco, seguidos pela África e Europa Oriental.

Veja isso
Trojan brasileiro ataca correntistas na AL e países da Europa
NortonLifeLock conclui compra da Avast por US$ 8,6 bilhões

Os 10 principais países, onde os usuários corporativos correm maior risco de encontrar ameaças:

Todas as Ameaças 10 Principais Países com Maior Risco: Usuários CorporativosAmeaças Avançadas 10 Principais Países com Maior Risco:Usuários Corporativos
Armênia (39,75%)
China (35,66%)
Vietnã (35,48%)
República da Coreia (32,61%)
República Unida da Tanzânia (30,98%)
Croácia (30,02%)
Bangladesh (29,89%)
Taiwan (29.25%)
Indonésia (29,21%)
Hong Kong (29,09%)
Armênia (18,75%)
Vietnã (17,82%)
China (8,85%)
Bangladesh (8,35%)
Eslovênia (8,15%)
República da Coreia (7,10%)
Gana (6,17%)
República Unida da Tanzânia (5,54%)
Filipinas (4,57%)
Nigéria (4,44%)

“Na pandemia, permitir à equipe trabalhar em casa em tão pouco tempo trouxe sérios desafios para a segurança dos negócios. Nem todas as empresas foram preparadas com VPNs corporativas seguras e soluções de acesso remoto, e os cibercriminosos se aproveitaram disso. Observamos um aumento do abuso do protocolo de área de trabalho remota e, especificamente, vimos os ataques de ransomware se tornarem mais prevalentes”, comenta Michal Salat, Diretor de Inteligência de Ameaças da Avast. “Em geral, a taxa de risco de empresas que se deparam com ataques de malware aumentou em todo o mundo”.

O relatório também analisa o risco de ameaças “avançadas” atingirem as empresas. A Avast define as ameaças mais sofisticadas ou nunca antes vistas como ameaças “avançadas”, projetadas para contornar as tecnologias de proteção comuns incluídas em softwares de segurança, como assinaturas, heurísticas, emuladores, filtragem de URL e verificação de e-mail. Para esse tipo de ameaça, no período relatado, os usuários corporativos no Brasil tinham uma taxa de risco de 3,43%. Em comparação com a média global (2,29%), os usuários corporativos no Brasil correm um risco maior de encontrar ameaças avançadas.

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest