empresa de leilões

Resgate de US$ 30 milhões pedido a empresa de leilões

Paulo Brito
10/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A empresa é a filial de Perth (Austrália) da Manheim, Inc., que opera o maior leilão de automóveis no mundo, com 145 instalações na América do Norte, Europa, Ásia e Austrália

O departamento de Proteção ao Consumidor do Oeste da Austrália (Consumer Protection WA) informou hoje que cibercriminosos estão pedindo US$ 30 milhões para desbloquear os computadores de “uma grande empresa com escritórios em Perth”.  A empresa é a filial de Perth da Manheim, Inc., que opera o maior leilão de automóveis no mundo, com 145 leilões localizados na América do Norte, Europa, Ásia e Austrália. Os leilões da Manheim acontecem nos formatos tradicionais e online. 

Segundo o Consumer Protection, o ataque de ransomware ocorreu em 14 de fevereiro e é semelhante ao que atingiu a empresa de logística australiana Toll Group duas semanas antes, interrompendo as entregas de encomendas. O Toll Group foi atingido por uma variante de ransomware chamada Mailto, que infectou 1000 servidores e paralisou a ampresa por um mês. Desde 1 Janeiro deste ano, o site WA ScamNet, desenvolvido pelo governo para proteger de golpes os moradores, recebeu 68 relatórios de ataques de ransomware ou malware. 

A empresa informou ao governo que os dados pessoais de seus clientes não foram comprometidos e indicou que não vai ceder ao pedido de resgate. Por causa do ataque, especialistas em TI da matriz da Manheim em Atlanta estão trabalhando para desbloquear estações de trabalho e criar um novo site.

Um porta-voz da empresa disse que “a Manheim foi prejudicada por um ataque de malware projetado para comprometer o acesso aos nossos sistemas internos. No entanto, estamos retomando nosso cronograma normal de leilões por meio de uma combinação de leilões presenciais e online”.

A Comissária para a Defesa do Consumidor, Penny Lipscombe, disse que as empresas devem estar alertas aos ataques cibernéticos e ter medidas de segurança eficazes em vigor e desencorajou o pagamento de resgate para não beneficiar os cibercriminosos e suas atividades.
Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest