Relatório da BT e KPMG alerta sobre ameaças emergentes

Muitas das novas ameaças têm origem em empresas cibercriminosas altamente organizadas

Relatório da BT e KPMG alerta sobre ameaças emergentes A mais nova pesquisa sobre risco cibernético do mercado acaba de ser publicada: ela se chama “Taking the Offensive – Working Together to disrupt digital crime”, desenvolvida pela BT e KPMG. O estudo mostra que apenas um quinto dos executivos de TI das grandes empresas afirma que suas organizações estão realmente preparadas para combater a ameaça do cibercrime. Infelizmente, indica a pesquisa, a grande maioria das empresas se sente limitada por regulamentações, disponibilidade de recursos e dependência de terceiros quando se trata de reagir a esses ataques.

Alexis Aguirre
Alexis Aguirre

“A BT Security é um dos principais fornecedores de segurança digital no mundo. Entre os clientes estão, por exemplo, a Organização do Tratado do Atlântico Norte – OTAN, o Ministério da Defesa da Grã Bretanha, o Ministério da Defesa da Espanha”, diz Alexis Aguirre, responsável pela área de segurança da BT na América Latina. Segundo o executivo, sua companhia tem todo o interesse em divulgar informações sobre esse assunto, para conscientizar os clientes atuais, clientes em potencial e também a comunidade em geral sobre os riscos cibernéticos presentes no mercado.

Com 14 centros de operação de segurança (SOCs), um deles em São Paulo, a BT segundo Aguirre tem clientes nas mais diversas áreas, incluindo também finanças e manufatura: “Segurança atualmente é um elemento habilitador-chave para os negócios”, completa Aguirre.

O estudo, acrescenta o executivo, mostra que embora 94% dos responsáveis pelas decisões em TI estejam cientes de que empresários criminosos chantageiam e subornam funcionários para ter acesso a suas organizações, cerca de metade deles (47%) admite que suas empresas não implementaram qualquer estratégia para impedir essas ações. O estudo também verificou que 97% dos entrevistados já foram alvo de ataques cibernéticos, que, segundo metade deles, vêm se intensificando nos últimos dois anos. Além disso, 91% dos entrevistados acreditam que enfrentam obstáculos em suas defesas contra os ataques digitais: muitos deles citam entraves regulatórios, e 44% se mostram preocupados com a dependência de terceiros para ações de resposta que são de sua responsabilidade.

Mark Hughes, CEO da área de Security da BT, destaca que “estamos agora em uma corrida armamentista contra gangues de criminosos profissionais e contra estados que possuem recursos avançados. No século 21, os cibercriminosos são empresários cruéis e eficientes, atuando em um mercado negro altamente sofisticado e em rápida evolução.

“A contínua escalada do cibercrime exige uma nova abordagem em relação ao risco digital – e isso significa, em primeiro lugar, colocar-se na pele dos atacantes. Não basta as empresas se defenderem dos ataques. É preciso também interromper as atividades das organizações criminosas que lançam esses ataques. As empresas precisam contar com leis aplicadas contra os criminosos, e também com a competência de parceiros especializados em segurança cibernética”.

Paul Taylor, que está à frente da área de segurança cibernética da KPMG no Reino Unido, ressalta que “é tempo de pensar o risco cibernético sob outro ângulo, retirando o foco exclusivamente dos hackers, e reconhecendo que nossas organizações estão sendo alvo de empresários criminosos e impiedosos, que têm planos de negócio e utilizam amplos recursos com intenção de fraudar, extorquir e roubar a propriedade intelectual do que lutamos para conquistar.

“Falar de forma genérica sobre o risco digital não vai apresentar soluções. É necessário pensar em possíveis cenários de ataque à sua empresa e considerar como a segurança cibernética, controle de fraude e resiliência podem ser combinados para lidar com essas ameaças de modo eficiente. Dessa forma, a segurança cibernética se torna uma estratégia corporativa importante para os negócios no mundo digital”.

O estudo da BT/KPMG indica que os Chief Digital Risk Officers (CDROs) agora estão sendo chamados a assumir um papel estratégico, somando experiência no mundo digital e competência gerencial de alto nível. Entre os entrevistados, 26% disseram já contar com um profissional nessa função, o que sugere que a área de segurança e as responsabilidades inerentes a ela estão sendo reavaliadas.

A pesquisa também sinaliza a necessidade de ajuste dos orçamentos, e 60% dos entrevistados indicaram que, nas suas empresas, a segurança cibernética faz parte do orçamento de TI. Metade deles (50%) acredita que deveria haver um orçamento específico para segurança. Um dos maiores desafios identificados pelo relatório é o volume de financiamento e investimentos em P&D que os criminosos conseguem reunir para minar as defesas das empresas alvo.

Participaram do estudo “Taking the Offensive – Working together to disrupt digital crime” profissionais responsáveis pela área de segurança de conhecidas organizações globais. A pesquisa relata exemplos de diversas formas de ataques criminosos identificados por essas organizações, incluindo diferentes tipos de malware e ataques de phishing. Também descreve os principais modelos de negócio dos criminosos e o mercado negro que permeia suas atividades – sejam sofisticados ataques ao sistema financeiro; ataques a empresas ou indivíduos com alta renda, ou até mesmo ataques que já se tornaram commodities, afetando a todos nós.

As conclusões da pesquisa apontam para a necessidade de uma nova mentalidade, considerando a segurança não mais apenas como um exercício de defesa. A segurança, na verdade, é ponto crucial para a inovação digital e, em última instância, para a lucratividade das empresas.

A BT e a KPMG estão agora em contato com grandes organizações em todo o mundo para promover um debate sobre as conclusões da pesquisa e colaborar nas mudanças que devem ser realizadas. Veja a íntegra do relatório em

http://www.bt.com/taking-the-offensive

As conclusões e recomendações do relatório “Taking the Offensive – Disrupting Cyber Crime” são baseadas em entrevistas realizadas em parceria com a Vason Bourne, com diretores responsáveis pela TI, resiliência e operações de negócio das maiores empresas nos Estados Unidos, Reino Unido, Singapura, Índia e Austrália.

Compartilhe
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin