ransomware-2318381_1280.jpg

Ransomware em hospital retardou atendimento; paciente morreu

Sem poder registrar entrada da paciente, hospital alemão a transferiu, mas faltou tempo para salvar sua vida
Da Redação
18/09/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A polícia de Dusseldorf, na Alemanha, informou ontem que um ataque de ransomware na Clínica da Universidade de Dusseldorf impediu o registro da internação urgente de uma paciente. O incidente aconteceu na noite da sexta-feira da semana passada, dia 11 de setembro: uma paciente em risco de vida que deveria ter sido internada precisou ser transferida para um hospital em Wuppertal, a cerca de 32 quilômetros de distância. Os médicos perderam uma hora antes de iniciar um tratamento e ela morreu.

Os sistemas da clínica da universidade estão paralisados há uma semana. O hospital informou a fonte do problema foi um ataque de hackers a um ponto frágil de um “software complementar, comercial, amplamente usado”, que não foi identificado.

Veja isso
Ransomware que atingiu a Equinix pode ter chegado à operação no Brasil
Banco chileno atingido por ransomware: 12 mil computadores congelados

Como conseqüência, os sistemas travaram gradualmente e o hospital não conseguiu acessar os dados; os pacientes de emergência foram levados para outro lugar e as cirurgias adiadas. O hospital informou que “não havia nenhum pedido concreto de resgate”. Acrescentou que não há indícios de que os dados estejam irremediavelmente perdidos e que os sistemas de TI estão sendo recuperados gradativamente.

Um relatório do ministro da Justiça do estado de North Rhine-Westphalia, onde fica Dusseldorf, informa que 30 servidores do hospital foram criptografados na semana passada e uma nota de extorsão deixada em um deles, informou a agência de notícias DPA. A nota, convidando os destinatários a entrar em contato, não cita nenhum valor e foi dirigida à Universidade Heinrich Heine, à qual o hospital de Duesseldorf é filiado, e não ao próprio hospital.

A polícia de Dusseldorf entrou em contato com os criminosos e contou que o hospital havia sido atingido e não a universidade. Os cibercriminosos retiraram o pedido de extorsão e forneceram uma chave para decodificar os dados. Agora, os criminosos não respondem mais às tentativas de contato, informou a polícia.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest