Principal operadora móvel da Ucrânia é atingida por ciberataque

A Kyivstar disse que sofreu um ataque cibernético “poderoso” que causou uma falha técnica, tornando o acesso à internet e às comunicações móveis temporariamente indisponíveis para os clientes
Da Redação
13/12/2023

A Kyivstar, principal operadora móvel da Ucrânia, está passando por uma interrupção significativa dos serviços devido, supostamente, a um ataque cibernético. A empresa, de propriedade da Veon, com sede em Amsterdã, na Holanda, comunicou nesta terça-feira, 12, que havia sofrido um ataque cibernético “poderoso” que causou uma falha técnica, tornando o acesso à internet e às comunicações móveis temporariamente indisponíveis para os clientes.

Inicialmente, embora Kiev não tenha atribuído diretamente a paralisação dos serviços ao ataque, o diretor-geral da Kyivstar, Oleksandr Komarov, disse mais tarde à agência France Presse (AFP) que a operadora considerou que o ataque estava ligado à guerra contra a Rússia. “A guerra também está acontecendo no ciberespaço. Infelizmente, fomos atingidos como resultado dessa guerra”, disse ele em rede nacional.

Em uma publicação no Facebook, a Kyivstar diz que está investigando o problema com as agências de aplicação da lei e já havia relatado o incidente aos serviços estatais ucranianos, além de estar “trabalhando para eliminar as consequências e restaurar as comunicações o mais rápido possível”.

“O mais importante é que, a partir de agora, os dados pessoais dos assinantes não foram comprometidos. Nossa equipe definitivamente compensará aqueles assinantes que não tinham conexão ou não puderam usar nossos serviços”, acrescentou a empresa nas redes sociais. “Sim, nossos inimigos são astutos. Mas estamos prontos para enfrentar quaisquer desafios, superá-los e continuar trabalhando pelos ucranianos.”

Veja isso
União Europeia formaliza apoio à cibersegurança da Ucrânia
Grupo usa técnicas de OT para atingir infraestruturas da Ucrânia

Kyivstar tem 24,3 milhões de assinantes móveis — mais da metade da população da Ucrânia — bem como mais de 1,1 milhão de assinantes de internet doméstica. A Veon disse em um comunicado que também está investigando o ataque e que ainda não pode quantificar o impacto financeiro.

O governo da Ucrânia confirmou que começou a investigar o incidente e que a Rússia é “suspeita” de estar por trás dele. A agência de inteligência ucraniana SBU disse à Reuters que uma das possibilidades que estava investigando era a de um ataque cibernético conduzido pelos serviços de segurança russos. Com agências de notícias internacionais.

Compartilhar:

Últimas Notícias