Principal elétrica de Ghana atingida por ransomware

Da Redação
02/10/2022

A maior distribuidora de eletricidade de Ghana, a Electricity Company of Ghana (ECG), sofreu no dia 27 de Setembro um ataque de ransomware em seus sistemas. Há clientes que não conseguem comprar energia para o sistema de fornecimento pré-pago, enquanto o fornecimento para outros já dura cinco dias, porque algumas seções dos sistemas da empresa foram criptografados. Fontes com acesso à empresa confirmaram que algumas áreas foram atingidas pelo ransomware, e ao mesmo tempo os hackers assumiram o controle de partes do servidor. Ainda não está claro de que forma os hackers tiveram acesso aos servidores da ECG.

Veja isso
Ransomware põe 4 portos da África do Sul em modo manual
Solorigate abriu brechas em redes de centenas de elétricas nos EUA

Em seu noticiário de ontem o jornal Ghana Business News informou que a ECG tem 14 fornecedores que podem ajudá-la, mas eles não têm acesso remoto aos servidores: “Eles precisam dos logs para rastrear o problema e encontrar os hackers, mas essa não é uma opção”, disse a fonte do jornal. Outras fontes disseram que há especialistas em ransomware em Gana que poderão resolver os problemas se conseguirem localizar o payload que os hackers podem ter colocado no sistema e fazer engenharia reversa.

A ECG foi designada pelas leis do país como uma infraestrutura crítica, devido à sua importância para a vida. Charles Nii Ayiku Ayiku, gerente geral responsável pelas comunicações externas do ECG, disse ao Ghana Business News que, embora não tenha nenhuma informação sobre os hackers, disse que a empresa têm desafios técnicos, acrescentando que a ECG estabilizou seus escritórios distritais e consegue vender energia aos consumidores. Os sistemas para fornecedores terceirizados, no entanto, estiveram instáveis até ontem, quando a empresa anunciou pelo Twitter o seu restabelecimento. Funcionários das agências de Segurança Nacional e de Cibersegurança de Ghana têm trabalhado com a empresa para encontrar uma solução para a crise.

Compartilhar: