Presidente do BC Europeu alerta para risco sistêmico de cyber

Um ataque coordenado a grandes instituições na Europa pode desencadear uma crise de liquidez com prejuízos muito elevados

O risco é permanente: um ataque cibernético coordenado a grandes instituições financeiras pode desencadear uma crise de liquidez. O alerta foi da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde. Durante um discurso na França semana passada, Lagarde informou que interrupções operacionais que tenham criptografado ou destruído contas em um grande banco poderiam desencadear uma crise de liquidez. “A história mostra que as crises de liquidez podem se transformar rapidamente em crises sistêmicas”, disse ela, acrescentando: “O BCE está ciente de que tem o dever de estar preparado e agir preventivamente”.

Lagarde disse que “como operador de infraestruturas críticas, o BCE obviamente leva essas ameaças muito a sério”, ao se referir a um relatório do Conselho Europeu de Risco Sistêmico (ESRB), que estima em até US $ 654 bilhões (507 bilhões de libras) o custo global de ataques cibernéticos desse tipo.

O próprio Banco Central Europeu já foi vítima de hackers: em uma declaração publicada em 15 de agosto de 2019, ele confirmou que “terceiros não autorizados” conseguiram violar a segurança do site do BIRD, o “European Central Bank’s Integrated Reporting Dictionary”. O site, hospedado por um provedor externo, parece ter sido atacado em dezembro de 2018. A violação foi descoberta durante  manutenção de rotina.

O risco mencionado pela presidente do BC europeu contempla o contexto em que haja um ataque coordenado feito por um Estado. Isso poderia causar o tipo de crise de liquidez para o qual ela alertou, e que “pode ​​rapidamente se transformar em crise sistêmica”. O relatório do ESRB revela que, na sua reunião mais recente, o Conselho identificou a guerra cibernética como uma “fonte de risco para o sistema financeiro”.

“O recente ataque de ransomware à Travelex mostrou o impacto que a queda de uma organização pode causar a outras”, disse Jake Moore, especialista em segurança cibernética da ESET. “Sempre haverá um risco cibernético para o setor financeiro devido aos vastos montantes em jogo, mas esse risco é gerenciado com a maior capacidade”, acrescentou.

Com agências internacionais

Compartilhe
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp