Preparadas para ransomware? Só 33% das empresas

Mais de 50 executivos c-level foram entrevistados durante um webcast realizado em 24 de junho de 2021 sobre detecção e resposta a ameaças cibernéticas
Da Redação
14/09/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Somente um terço (33%) das grandes corporações estão preparadas para responder a um ataque de ransomware, estando inclusive treinadas para restauração dos seus sistemas. A afirmação vem de uma pesquisa feita pela Deloitte com 50 executivos de segurança e de TI de grandes corporações. A pesquisa, intitulada “Executives’ Ransomware Concerns Are High, But Few Are Prepared for Such Attacks”, indica que a grande maioria (86,7%) dos C-levels e outros executivos dizem esperar que o número de ataques cibernéticos direcionados a suas organizações aumente nos próximos 12 meses.

E embora 64,8% dos executivos entrevistados digam que o ransomware é uma ameaça cibernética que representa grande preocupação para suas organizações nos próximos 12 meses, apenas 33,3% dizem que suas organizações simularam ataques de ransomware para se preparar para tal incidente.

Mais de 50 C-suite e outros executivos foram entrevistados online durante um webcast realizado em 24 de junho de 2021 sobre detecção e resposta a ameaças cibernéticas. Os executivos participantes ocuparam cargos de liderança em áreas como diretorias corporativas (36,7%), TI (34,4%), gestão de riscos (12,2%) e segurança e privacidade (6,7%). As taxas de resposta diferem por pergunta.

Veja isso
Deloitte compra empresa de cibersegurança Sentek
Deloitte compra CloudQuest e amplia segurança de nuvem

“Nos últimos 12-18 meses, executivos de todas as indústrias e setores testemunharam – e cada vez mais experimentaram em primeira mão – a frequência de cair o queixo, sofisticação, custo e impactos econômicos e operacionais de ataques de ransomware “, disse Curt Aubley, da Deloitte. “Como alguns ransomware podem escapar das ferramentas antivírus e os invasores encontram mais maneiras de pressionar as vítimas a pagar resgates, esses ataques geralmente têm repercussões nacionais e globais. Não há tempo a perder quando se trata de aperfeiçoar e testar programas de resposta a incidentes para ransomware e outros eventos cibernéticos”, acrescentou.

Kieran Norton , líder e principal em soluções de segurança de infraestrutura da Deloitte Risk & Financial Advisory , Deloitte & Touche LLP, acrescentou: “Uma forte supervisão e suporte de nível executivo e de conselho para o programa de gerenciamento de risco cibernético é uma parte crítica da preparação para o evento. Líderes no mais alto nível os níveis precisam entender o papel crucial que desempenham na prevenção – fornecendo supervisão, governança e tom de cima – bem como suporte direto para a resposta ao ataque. “

Para se ter uma ideia de como uma organização está preparada para enfrentar um ataque de ransomware, Norton diz que os líderes de negócios podem fazer perguntas específicas destinadas a sondar a profundidade dos recursos de detecção, prevenção e resposta de ransomware do programa cibernético.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest