Porto de Los Angeles sofre mais de 40 milhões de ataques por mês

Da Redação
25/07/2022

Um dos portos mais movimentados do mundo, o Porto de Los Angeles, vem sendo alvo de intensos ataques cibernéticos desde o início da pandemia, de acordo com um novo relatório. Em entrevista à BBC World Service no fim de semana,  Gene Seroka, diretor executivo do Porto de Los Angeles, disse que a instalação está sendo bombardeada com cerca de 40 milhões de ataques por mês.

“Nossa inteligência mostra que as ameaças vêm da Rússia e de partes da Europa. Temos que ficar um passo à frente daqueles que querem prejudicar o comércio internacional”, disse ele à BBC. “Devemos tomar todas as precauções contra possíveis incidentes cibernéticos, particularmente aqueles que podem ameaçar ou interromper o fluxo de carga”, completou.

Ransomware, malware, spear phishing e ataques de coleta de credenciais estão aparentemente entre as ameaças direcionadas à instalação, que é o porto mais movimentado do hemisfério norte. O objetivo, em muitos casos, parece ser causar perturbações na economia dos EUA, embora lucrar com extorsão e roubo de dados também pode outro fator determinante.

Se não forem gerenciadas adequadamente, essas ameaças podem piorar ainda mais os problemas da cadeia de suprimentos. Seroka afirmou que os bloqueios no porto não serão totalmente liberados até o próximo ano, embora o número de navios porta-contêineres esperando mais de dois dias para descarregar tenha caído de 109 em janeiro para 20 atualmente. “Os últimos dois anos provaram o papel vital que os portos têm na infraestrutura crítica, cadeias de suprimentos e economia do nosso país. É fundamental mantermos os sistemas o mais seguros possível”, disse ele.

Veja isso
Securitas expõe 3 TB de dados de aeroportos na Colômbia e Peru
Ransomware põe 4 portos da África do Sul em modo manual

O desafio é tão grande que o porto desenvolveu um dos primeiros Centros de Resiliência Cibernética do mundo, em parceria com o FBI. Ele fornece um local centralizado para receber, analisar e compartilhar inteligência de ameaças com as partes interessadas portuárias, como companhias de navegação. Tal é a sua importância estratégica para o comércio global que os portos se tornaram um alvo para os cibercriminosos, especialmente aqueles que procuram sabotar operações e extorquir organizações.

No final de dezembro do ano passado, a Guarda Costeira dos EUA alertou sobre um ataque de ransomware em uma instalação sem nome, interrompendo as operações por mais de 30 horas. Em fevereiro deste ano, os terminais de petróleo em alguns dos maiores portos da Europa foram atacados por ransomware. Com informações da Infosecurity.

Compartilhar: