Plataforma brasileira detecta fake news em português

Da Redação
24/02/2022

Uma plataforma web criada por pesquisadores ligados ao Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), organização que faz parte do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP, é capaz de predizer a probabilidade de um texto ser falso, por meio de uma combinação de modelos estatísticos e técnicas de aprendizado de máquina.

Veja isso
Twitter e Meta removem grupos antivacina e de fake news chinês
Cibercrime 2022: Deepfakes, criptomoedas e carteiras digitais

Resultados preliminares indicaram que o sistema foi capaz de detectar notícias falsas com 96% de precisão. “A ideia da plataforma é oferecer à sociedade uma ferramenta adicional para identificar de forma não somente subjetiva se uma notícia é ou não falsa”, disse Francisco Louzada Neto, diretor de transferência tecnológica do CeMEAI e coordenador do projeto em entrevista à Agência FAPESP.

A plataforma para detecção de fake news começou a ser desenvolvida por participantes da última edição do Mestrado Profissional em Matemática, Estatística e Computação Aplicadas à Indústria (Mecai), oferecido pelo ICMC-USP e em um dos cursos da área de educação corporativa oferecidos pelo CeMEAI. Outras soluções desenvolvidas por participantes do curso foram uma plataforma web para antecipação do valor de mercado de criptomoedas e um sistema para acompanhamento de óbitos por COVID-19 em nível municipal.

Ao receber um texto, que deve conter a notícia completa, o sistema aplica métodos estatísticos para avaliar características de escrita, como palavras usadas ou classes gramaticais mais frequentes. Essas caraterísticas são utilizadas por um classificador baseado em um modelo de aprendizado de máquina que é capaz de distinguir padrões de linguagem, vocabulário e semântica de notícias falsas e de verdadeiras e, dessa forma, inferir automaticamente se um texto submetido à plataforma é ou não uma fake news. “As fake news apresentam padrões na redação do texto, uso e frequência de palavras que podem ser identificáveis pelo classificador”, afirma Louzada.

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhar:

Últimas Notícias