corona-4912.jpg

E-mail de phishing com Covid-19 como isca sobe 667% em menos de um mês

Da Redação
26/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Cerca de 2% dos 468 mil ataques globais por e-mail detectados em levantamento foram classificados como Covid-19

corona-4912.jpg

Os e-mails de phishing aumentaram mais de 600% desde o final de fevereiro em decorrência da ação de cibercriminosos que buscam capitalizar usando medo e a incerteza gerados pela pandemia do Covid-19.

O dado é de um levantamento feito pela empresa de segurança Barracuda Networks o qual indica que o número de incidentes saltou de 137 em janeiro para 1.188 em fevereiro, explodindo para 9.116 agora em março. Cerca de 2% dos 468 mil ataques globais por e-mail detectados pela empresa foram classificados como Covid-19.

Embora o número total de ataques ainda seja baixo quando comparado com outras ameaças, está crescendo rapidamente, afirmou a empresa em comunicado. Diversas campanhas de phishing estão aproveitando o Covid-19 para disseminar malware, roubar credenciais e enganar os usuários sem dinheiro, disse a empresa.

Como geralmente acontece, os ataques usavam o temor generalizado sobre o assunto para induzir os usuários a entregar seus logins e informações financeiras ou baixar involuntariamente malware em seus computadores.

“Os ataques usam táticas comuns de phishing que são vistas regularmente; no entanto, um número crescente de campanhas está usando o coronavírus como uma atração para tentar enganar os usuários distraídos para aproveitar o medo e a incerteza de suas vítimas”, afirma a Barracuda. O FBI emitiu recentemente um alerta sobre esses tipos de ataques.

Dos ataques de phishing Covid-19, 54% foram classificados como fraudes, 34% como ataques de representação de marca, 11% como chantagem e 1% como comprometimento de e-mail comercial (BEC).

Além das dicas usuais para obter mais informações sobre a pandemia, alguns golpistas estão prometendo vender curas ou máscaras faciais, enquanto outros dizem estar tentando obter investimento em empresas que produzem vacinas ou doações para combater o vírus e fornecer apoio às vítimas.

Infelizmente, os usuários de computadores estão mais expostos do que nunca a esquemas de phishing como esses, de acordo com uma nova pesquisa.

A empresa de treinamento em conscientização de segurança KnowBe4 afirmou que 38% dos usuários finais não treinados são suscetíveis a phishing, ou seja, falharão em cenários realistas de phishing. Isso aumentou mais de 8% em relação aos números de 2019. A boa notícia é que essa média caiu 60% após 90 dias de treinamento em phishing com exercícios de simulação no mundo real, afirma a empresa.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest