PF faz operação contra fraudes bancárias com apoio da Febraban

Nesta segunda fase, policiais federais cumprem 51 mandados de busca e apreensão em em 17 estados e no DF para combater fraudes bancárias eletrônicas
Da Redação
30/05/2023

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira,30, a operação “Não Seja um Laranja 2”, com apoio da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e seus bancos filiados, para desarticular esquemas criminosos voltados à prática de fraudes em contas eletrônicas mantidas em diversas instituições bancárias do país. A operação contou ainda com o apoio da Interpol por meio do Centro de Crimes Financeiros e Anticorrupção (IFCACC-Interpol).

Policiais federais e civis cumprem 51 mandados de busca e apreensão em 17 estados e no Distrito Federal, no contexto de investigações de pessoas que cederam contas pessoais para receber recursos oriundos de golpes e fraudes contra clientes bancários.

A operação faz parte do Projeto Tentáculos, que tem como um dos principais pilares um Acordo de Cooperação Técnica entre a Polícia Federal e a Febraban, vigente desde outubro de 2017, que se consolidou como referência interna e internacional de cooperação público-privada no combate às fraudes bancárias eletrônicas.

Nos últimos anos, a PF detectou um aumento considerável da participação consciente de pessoas físicas em esquemas criminosos, para os quais “emprestam” suas contas bancárias, mediante pagamento. Esse “lucro fácil”, com a cessão das contas para receber transações fraudulentas, possibilita a ocorrência de fraudes bancárias eletrônicas que vitimam inúmeros cidadãos. Tais pessoas são conhecidas popularmente como “laranjas”.

Veja isso
PF apura fraudes contra 22 mil segurados do INSS em São Paulo
Bancos terão de compartilhar dados para prevenir fraudes

A Polícia Federal alerta que emprestar contas bancárias para receber créditos fraudulentos é crime, além de provocar um dano considerável aos cidadãos, quer pelo potencial ofensivo deste tipo de conduta delitiva, que tem sido um dos principais vetores de financiamento de organizações criminosas, como também pelos prejuízos financeiros a milhares de brasileiros.

As penas podem chegar a oito anos de prisão, mais multas, e ainda serem agravadas se os crimes forem praticados com o uso de servidor mantido fora do Brasil, ou ainda se a vítima for uma pessoa idosa ou vulnerável.A operação é de caráter nacional e visa coibir esse tipo de criminalidade, a exemplo da ação realizada em agosto de 2022, que teve 43 mandados de busca executados em 13 estados e no Distrito Federal.

Compartilhar:

Últimas Notícias