Pesquisa: número de fornecedores de cyber impacta segurança

Da Redação
16/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Pesquisa bienal da Dell indica que organizações com mais de um fornecedor de proteção de dados são duas vezes mais vulneráveis a um incidente cibernético do que aquelas que utilizam um só

Saiu na última quinta-feira a pesquisa bienal da Dell sobre riscos e ameaças cibernéticos, o GDPI 2020 (Global Data Protection Index). Os dados indicam que 80% das organizações estão optando por implantar soluções de proteção de dados de dois ou mais fornecedores, indicador que subiu 20 pontos percentuais desde 2016. No entanto, a pesquisa mostra também que organizações com mais de um fornecedor de proteção de dados são duas vezes mais vulneráveis a um incidente cibernético que impede o acesso a seus dados: são 39% das empresas que usam dois ou mais fornecedores, versus 20% das empresas que usam apenas um fornecedor.

O foco da pesquisa é avaliar o impacto que as mudanças no volume de dados gerenciados pelas empresas estão causando na proteção de dados. O levantamento foi feito com as entrevistas de 1.000 tomadores de decisão de TI em 15 países em organizações públicas e privadas com mais de 250 funcionários. 

Um dos dados mais surpreendentes é que em um ano o volume de dados gerenciados pelas organizações cresceu quase 40% mais. Em consequência, 81% dos entrevistados admite que suas soluções atuais de proteção de dados não atenderão a todas as suas necessidades. O estudo mostrou que as organizações estão manejando agora 13,53 petabytes (PB) de dados, um aumento de quase 40% desde sobre os 9,70 PB em 2018. Mas comparado a 2016, quando as organizações gerenciavam 1,45 PB, houve um aumento de 831%. A maioria das organizações (82% em 2019 em comparação com 76% em 2018) sofreu um evento ‘perturbador’ nos últimos 12 meses. Além disso, outros 68% temem que sua organização sofra um evento desse tipo nos próximos 12 meses. A pesquisa também mostra que há cada vez mais empresas dando valor aos seus dados: em 2018, as que consideravam os dados valiosos eram 74%, e em 2019 eram 80%.

O custo das interrupções causadas por incidentes de cibersegurança também está aumentando a uma taxa alarmante. O custo médio do tempo de inatividade aumentou 54% entre 2018 e 2019, resultando em um custo total estimado de US $ 810.018 em 2019, acima de US $ 526.845 em 2018. O custo estimado da perda de dados também aumentou de US $ 995.613 em 2018 para US $ 1.013.075 em 2019. Esses custos são significativamente maiores para as organizações que usam mais de um fornecedor de proteção de dados – quase duas vezes mais custos relacionados ao tempo de inatividade e quase cinco vezes mais custos de perda de dados, em média.

O estudo observa que quase todas as organizações estão investindo em tecnologias novas ou emergentes, sendo as cinco principais: aplicativos nativos da nuvem (58%); IA e ML (53%); SaaS (51%); 5G e edge em nuvem (49%); e IoT / endpoint (36%).

No entanto, quase três quartos (71%) dos entrevistados acreditam que essas tecnologias emergentes criam mais complexidade de proteção de dados, enquanto 61% afirmam que tecnologias emergentes representam um risco para a proteção de dados. Mais da metade das pessoas que usam tecnologias mais novas ou emergentes estão lutando para encontrar soluções adequadas de proteção de dados para essas tecnologias.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest