Palo Alto é condenada a pagar US$ 151,5 mi em ação de patentes

Condenação ocorreu após um júri concluir que a empresa de segurança cibernética infringiu várias patentes da fornecedora especializada em defesa de rede Centripetal Networks
Da Redação
05/02/2024

A Palo Alto Networks foi condenada a pagar à Centripetal Networks US$ 151,5 milhões, após um júri concluir que a empresa de segurança cibernética infringiu várias patentes da fornecedora especializada em defesa de rede ativa em tempo real. A decisão foi proferida na quarta-feira passada, 31 de janeiro, no Tribunal Federal do Distrito Oriental da Virgínia. A Palo Alto adiantou que irá recorrer da decisão. 

O júri concordou com a alegação da Centripetal de que o software de segurança da Palo Alto infringiu quatro de suas patentes relacionadas à tecnologia de “gateway de inteligência de ameaças” para segurança de rede. Um porta-voz de Palo Alto disse que o veredicto era “contrário tanto à lei quanto às extensas evidências que apresentamos no julgamento” e antecipou que a empresa planeja apelar da decisão.

A Centripetal, com sede em Reston, Virgínia, processou Palo Alto em 2021. Na ação judicial, ela afirma que a plataforma de segurança cibernética Cortex de Palo Alto, os firewalls NextGen e outros softwares infringiam patentes relacionadas à tecnologia para bloquear a entrada de ameaças à segurança em uma rede de computadores.

Veja isso
Palo Alto adquire a israelense Talon por US$ 625 milhões
Bug de PAN-OS da Palo Alto tem pontuação de 8.6 no CVSS

A Centripetal pediu ao tribunal uma indenização monetária e uma ordem bloqueando a suposta infração de Palo Alto. A Palo Alto disse ao tribunal que a sua tecnologia funciona de forma diferente das invenções patenteadas da Centripetal e também argumentou que as patentes eram inválidas.

A Centripetal já havia vencido outra ação em 2020, no valor de US$ 2,75 bilhões — o maior na história de patentes dos EUA — argumentando que os produtos de segurança cibernética da Cisco Systems infringiam suas patentes, mas essa decisão foi anulada no ano passado por um juiz da Virgínia, após uma nova audiência. Com agências de notícias internacionais.

Compartilhar:

Últimas Notícias