Otan e UE acusam Rússia de crimes cibernéticos e sabotagem

Da Redação
06/05/2024

Os países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e os estados-membro da União Europeia condenaram na semana passada o que alegam ser a “intensificação” da sabotagem e de operações híbridas russas que visam os seus países. O Conselho Executivo Político (NAC) da Otan, anunciou na quinta-feira passada, 2, que os aliados estavam “profundamente preocupados com as recentes atividades ilegais em territórios aliados, incluindo algumas que resultaram em investigação e acusação de várias pessoas por possível conexão com operações coordenadas pelo Kremlin.

Uma série de atividades surgiram na sequência dos esforços de contraespionagem na República Tcheca, Estónia, Alemanha, Letônia, Lituânia, Polônia e Reino Unido. A Otan descreveu-as como “parte de uma campanha intensificada de atividades que a Rússia continua a realizar em toda a região euro-atlântica, incluindo territórios da aliança, através de representantes”.

Numa segunda declaração na sexta-feira, 3, o NAC denunciou uma “campanha cibernética maliciosa” da Rússia realizada em 2023 visando um partido político na Alemanha, juntamente com instituições na República Tcheca.

Durante uma coletiva de imprensa na Austrália na sexta-feira, a ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, anunciou que o país atribuía o ataque cibernético do ano passado feito ao Partido Social-Democrata ao grupo APT28, também conhecido como Fancy Bear e ligado ao Departamento Central de Inteligência (GRU, na sigla em inglês) do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.

“Os aliados também observam com preocupação que o mesmo operador de ameaças teve como alvo outras agências governamentais nacionais, operadoras de infraestruturas críticas e outras entidades de membros da aliança militar, incluindo na Lituânia, Polônia, Eslováquia e Suécia”, anunciou a Otan.

Na sexta-feira, o NAC disse que a campanha cibernética “mostra o padrão contínuo de comportamento irresponsável da Rússia no ciberespaço, ao visar instituições democráticas, entidades governamentais e fornecedores de infraestruturas críticas em toda a União Europeia e fora dela”.

Ao mesmo tempo, o Ministério dos Negócios Estrangeiros checo anunciou que os seus serviços de inteligência foram alvo do APT28, “explorando uma vulnerabilidade anteriormente desconhecida no Microsoft Outlook a partir de 2023”.

As atividades incluem “sabotagem, atos de violência, interferência cibernética e eletrônica, campanhas de desinformação e outras operações híbridas”, disse a Otan, acrescentando que os aliados as consideram uma ameaça à sua segurança.

Na semana passada, a polícia checa disse ter “provas” de que membros da Unidade 29155 do GRU estavam por trás de explosões em armazéns de munições no país.

Autoridades da Estônia, Letônia e Lituânia também criticaram a suspeita de bloqueio de GPS em voos comerciais no Báltico, que o ministro dos Negócios Estrangeiros da Estônia, Marcus Tsahkna, classificou como “ataque híbrido deliberado” da Rússia.

Veja isso
Após entrar para Otan, Suécia registra alta de ataques DDoS
Gangue Dark Storm anuncia ataque à Otan, Israel e aliados

A Alemanha tem enfrentado uma série de ameaças russas nos últimos meses, desde uma nova espionagem cibernética dirigida a partidos políticos, até à interceptação e fuga de informações entre oficiais militares sobre o apoio à Ucrânia. Os procuradores do país também fizeram recentemente acusações contra um oficial militar que tentou fornecer informações às agências de espionagem russas.

A polícia antiterrorista britânica prendeu seis cidadãos búlgaros no ano passado, suspeitos de espionagem para o governo russo, com dois cidadãos britânicos presos na semana passada sob suspeita de um incêndio criminoso contra uma empresa de propriedade ucraniana em Londres, conforme orientação do Kremlin.

O Kremlin negou responsabilidade e rechaçou todas essas alegações.A Otan disse que agirá “individual e coletivamente para abordar essas ações e continuará a coordenar estreitamente para combater e contestar as ações híbridas russas”. Com agências de notícias internacionais.

Compartilhar: