internet-1181586_640.jpg

OTAN diz que proposta de nova internet da China põe em risco segurança

Da Redação
31/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Plano do governo chinês defende novo modelo de IP baseado em uma infraestrutura de internet descentralizada, o que segundo a organização comprometerá a segurança

internet-1181586_640.jpg

Relatório da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) revela planos do governo chinês de promover a padronização de uma nova arquitetura da internet. Segundo o órgão, se concretizado, o projeto pode intensificar o volume de ameaças, desestabilizar a segurança e a privacidade e fragmentar a rede mundial de computadores.

Proposta pela primeira vez na União Internacional de Telecomunicações da ONU (UIT), em setembro do ano passado, o projeto defende a substituição do atual modelo baseado nos protocolos TCP/IP por uma nova arquitetura, apelidada de “novo IP”. O plano está sendo liderado pela Huawei, fabricante chinesa de equipamentos de rede de telecomunicações, por empresas estatais da China e pelo próprio governo.

Publicado pelo Financial Times, o plano afirma que o TCP/IP está esgotado, incapaz de suportar os avanços das tecnologias de internet das coisas (IoT), as comunicações espaço-terrestres e outras inovações que estão surgindo, como as comunicações holográficas.

Veja isto

Anatel abre consulta sobre cibersegurança em equipamentos de internet e telecom

Logins e senhas de e-commerce abertos na internet

A proposta também aponta vulnerabilidades de segurança no modelo atual e afirma que o novo IP é um “sistema onipresente, universal e com melhor protocolo”, além de fornecer segurança e confiança aprimoradas para a internet.

No entanto, um novo relatório do Oxford Information Labs (Oxil) da OTAN diz estar extremamente apreensivo com o projeto. A China está efetivamente “criando uma percepção da necessidade” para o seu novo modelo quando, na verdade, o TCP/IP está longe de estar quebrado — na verdade, ele se adaptou consistentemente bem a tudo o que foi lançado ao longo dos anos, afirma.

Segundo o Oxil, o novo modelo de IP baseado em uma infraestrutura de internet descentralizada (DII) comprometerá a segurança e incorporará “controles refinados nas fundações da rede” — colocando finalmente mais controle nas mãos dos provedores de internet (ISPs).

“O novo IP centralizaria o controle da rede nas mãos das operadoras de telecomunicações, todas administradas pelo governo central ou estatais chinesas”, disseram os autores do relatório à Infosecurity. “Portanto, a infraestrutura da Internet se tornaria um braço do estado chinês”, completaram eles.

O novo IP também inclui planos para um sistema de resolução de identificador de objeto para substituir o atual sistema de nomes de domínio (DNS), ostensivamente para melhorar o desempenho, a estabilidade, a privacidade e a segurança. Mas o Oxil afirma que “o uso de tecnologias alternativas para identificação na internet e no DNS levaria a menos previsibilidade no ciberespaço e a novas questões sobre normas e governança”.

O órgão também criticou os novos planos de IP para a tecnologia DLT (Distributed Ledger Technologies, ou livro de registro digitalizado e descentralizado) que a China alega ser necessária para combater a centralização aberta da arquitetura da internet, hoje nas mãos de IANA (autoridade para atribuição de números de internet), autoridades de registro de domínios (CAs) e outros órgãos.

No modelo chinês, é provável que os governos tenham controle sobre o DLT, permitindo assim a vigilância em massa dos usuários, alerta o Oxil. “Não é incomum que o critério da ‘confiança’ substitua a ‘segurança’ nas discussões relacionadas ao DII chinês. Isso é preocupante porque indica que o princípio de ‘segurança por design’, ao menos no contexto ocidental, não está sendo adotado no desenvolvimento da DII. No longo prazo, isso pode impactar negativamente a segurança cibernética globalmente”, afirma o relatório.

Os planos estão sendo implementados em ritmo acelerado no âmbito da UIT, com o Oxil e outros delegados da ONU alarmados com a velocidade em que mudanças radicais estão sendo propostas e o impacto da padronização global do novo PI. “Aumentará o cenário de ameaças, introduzindo novas incertezas de segurança em toda a cadeia e fornecerá a governos autoritários em todos os lugares um novo modelo para controlar a população”, alerta o Oxil.

A fragmentação da internet em intranets nacionais administradas por governos também prejudicará a previsibilidade do ciberespaço e a capacidade da OTAN de proteger e defender suas redes, continua o relatório. “A proliferação de tecnologias alternativas da internet aumentará o cenário de ameaças, diminuirá a previsibilidade e potencialmente desestabilizará as normas existentes e futuras para o comportamento responsável do estado no ambiente online”, conclui o documento.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest