Os perigos no celular da Primeira Dama

Paulo Brito
18/05/2016
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Em casos pelo mundo inteiro, senhas fracas permitem que hackers invadam dispositivos para roubar dados e informações sensíveis, que podem causar grandes prejuízos

São Paulo, 18 de Maio, 2016 – Um hacker foi preso em São Paulo acusado de invadir o smartphone de Marcela Temer, esposa do presidente do Brasil, Michel Temer. O crime foi noticiado por um jornal em 3 de Maio, quando a polícia acreditava que a invasão havia acontecido num PCAVAST mostra os riscos de 2014 da primeira dama.

Não se sabe exatamente o que aconteceu neste caso – especialmente como o hacker teve acesso às informações armazenadas no telefone. Pode-se apenas supor que ele encontrou uma ou mais maneiras de alcançar os arquivos. Um ataque de phishing ou de spearphishing são duas das possibilidades, principalmente se o dispositivo da primeira dama não estava apropriadamente protegido por um antivírus atualizado, como Avast 2016: o download de arquivos a partir de links suspeitos ou o acesso a websites desconhecidos utilizando um dispositivo desprotegido pode levar a uma contaminação por malwares, com as piores consequências. No caso de Marcela Temer, existiu também a possibilidade de que alguém tenha tido acesso físico ao dispositivo e que não estivesse protegido com senha. 

As senhas estão entre os principais elementos da proteção de dados e arquivos no mundo digital: elas são as chaves que abrem o acesso exclusivo ao usuário para seus dados privados, arquivos e aplicativos. Mas para estarem sempre seguros, é preciso que escolham senhas originais e fortes. Do contrário, hackers podem quebrá-las em segundos, quando não instantaneamente.

A sra. Temer é uma das mais recentes celebridades que se tornou vítima de cibercriminosos, tal como aconteceu com muitas outras pelo mundo. Como a atriz brasileira Carolina Dieckman, cujas fotos íntimas foram expostas por um hacker na internet em Maio de 2011. Esse fato levou o Congresso brasileiro a desenvolver uma legislação para proteger os cidadãos dos cibercriminosos. A lei foi publicada em 2012 com o nome de“Lei Carolina Dieckman”. Embora no caso de Marcela Temer o atacante tenha sido identificado e preso, a história poderia ter tido um final diferente se em seu ataque ele tivesse usado ransomware, o malware que criptografa todos os arquivos de um computador, tablet ou smartphone, permitindo assim que o criminoso exija um resgate (geralmente em Bitcoins) para enviar a chave digital que decodificará os arquivos. Um dos mais novos ransomwares de PC, o Locky, atacou em Fevereiro, atingindo vários hospitais nos Estados Unidos, o que os forçou a suspender muitas atividades. Não só o ransomware continua atacando PCs como é uma forma de ataque cada vez mais sofisticada e frequente também entre os dispositivos móveis.

A partir da análise de histórias como essas e de invasões como a do site Ashley Madison, sabe-se que as pessoas não administram bem suas senhas. Elas erram ao não criar senhas fortes e muitas não as trocam periodicamente depois que as criam – mesmo sabendo que estão em risco a sua intimidade, sua reputação ou seu casamento. Mas a verdade é que nem os hackers escolhem senhas seguras!

Muitas pessoas ainda não sabem criar senhas realmente seguras, ou ficam tão frustradas tentando fazer isso que não ligam mais para o assunto. Isso fica comprovado com a lista das senhas mais utilizadas que os pesquisadores da Avast compilaram. Estas são as dez mais comuns que eles encontraram em vazamentos de dados expostos publicamente em Abril:

123456
123456789
password
101
12345678
12345
Password1
qwerty
1234
111111

“Você pode pensar que um simples vazamento de senhas não é crítico – no entanto, perto de 50% das senhas que vazam têm junto um endereço de email”, observa o gerente de Inteligência de Ameaças da Avast, Michal Salat. “Sabemos que muita gente usa a mesma combinação de email e senha em várias contas. Assim, se um hacker sabe a sua senha do Ashley Madison, poderá ter em seu poder a sua senha do Facebook, da Amazon, do eBay, etc”.

Quem quiser criar senhas seguras precisa seguir estas dicas, segundo ele:

  • Fazer senhas longas e fortes
  • Usar uma senha diferente para cada conta
  • Nunca compartilhar uma senha
  • Alterar as senhas com regularidade
  • Utilizar um gerenciador de senhas para armazená-las
  • Proteger o acesso ao celular com uma senha numérica (PIN)
  • Nunca utilizar senhas de uma só palavra
  • Adotar autenticação com mais de um fator

O Avast Passwords pode gerenciar as senhas (e economizar trabalho) criando-as e sincronizando-as em todos os seus dispositivos. Você só tem de lembrar da senha mestra do Avast Passwords!

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest