Organizações de finanças europeias unem suas forças

Da Redação
02/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O objetivo do projeto, chamado Iniciativa de Compartilhamento de Informações e Inteligência Cibernética (CIISI-UE), é proteger o ecossistema financeiro contra ataques ou brechas de segurança

Bancos centrais, câmaras de compensação, bolsas de valores globais, prestadores de serviços de processamento de pagamentos e organizações policiais com sede na Europa anunciaram que estão de unindo para apresentar um programa de compartilhamento de informações sobre crimes cibernéticos.

O objetivo do projeto, chamado Iniciativa de Compartilhamento de Informações e Inteligência Cibernética (CIISI-UE), é proteger o ecossistema financeiro contra ataques ou brechas de segurança realizadas por criminosos cibernéticos. O programa oferecerá vários exercícios práticos para promover a conscientização e também apoiará a troca ativa de informações vitais relacionadas a ataques cibernéticos, ameaças on-line e vulnerabilidades. Também oferecerá soluções para esses problemas, fornecendo infra-estruturas financeiras essenciais para a Europol e as agências de segurança cibernética da Europa.

Fabio Panettas, membro do conselho executivo do Banco Central Europeu (BCE), disse que os ataques cibernéticos são internacionais e não estão restritos a fronteiras geográficas. O BCE observou que as capacidades dos hackers continuam a evoluir e representam uma séria ameaça ao ecossistema financeiro global.

Panettas acrescentou: “Esta é a primeira vez que grandes infra-estruturas financeiras, a Europol e a Agência da União Europeia para a Cibersegurança (ENISA) adotam medidas conjuntas contra o risco cibernético.” Ele também observou que sua organização espera que este seja “um modelo inspirador para outras jurisdições para enfrentar uma das maiores ameaças de nosso tempo”.

Os cibercriminosos estão cada vez mais roubando dinheiro, e o compartilhamento dessas informações pode ajudar a impedir ataques on-line e garantir que os fundos das pessoas permaneçam seguros, disse Panettas.

Aplicativos de investimento, ferramentas de processamento de dados financeiros on-line e plataformas de criptomoeda descentralizadas provavelmente serão alvo dos “atores de ameaças cibernéticas motivadas financeiramente” este ano, de acordo com um relatório publicado em dezembro de 2019 pela Kaspersky, uma empresa líder em segurança cibernética. As ameaças e ataques cibernéticos financeiros são alguns dos mais perigosos ou prejudiciais, pois geralmente resultam em “perdas financeiras diretas para as vítimas”, observou Kaspersky.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest