Operadora canadense Rogers explica por que saiu do ar

Da Redação
25/08/2022

A operadora de telecomunicações Rogers atualizou sua resposta às perguntas feitas pela Comissão Canadense de Telecomunicações de Rádio e Televisão (CRTC) sobre o que causou a interrupção de sua rede em 8 de julho. Em sua atualização do documento, a empresa disse que 2,92 milhões de clientes de telefonia fixa e 10,242 milhões de clientes sem fio foram impactados. Embora tenha determinado que não violou os acordos de nível de serviço (SLA) com seus clientes de varejo, a Rogers está avaliando se violou o SLA com seus fornecedores.

Veja isso
Falha da telecom Rogers paralisou sistema bancário canadense
5 bancos do Canadá ficam offline em misteriosa interrupção

A interrupção da Rogers foi causada por uma falha na atualização dos roteadores em sua rede, o que fez com que o gateway de internet, o gateway principal e os roteadores de distribuição da Rogers interrompessem a comunicação entre si, bem como com as redes de celular, corporativas e a cabo. O documento também descrevia a prioridade de restauração em uma lista numerada de sete pontos. A Rogers colocou a restauração de seus serviços sem fio e com fio como uma prioridade, seguida por serviços de UTI e grandes clientes empresariais.

Esta foi a segunda interrupção da Rogers em dois anos; em abril de 2021, uma atualização de software do fornecedor desligou sua rede móvel. A Rogers agora diz que os aprendizados da interrupção anterior ajudaram a restaurar sua rede móvel mais rapidamente em 8 de julho. Ao contrário da interrupção que ocorreu em 8 de julho, a Rogers diz que sua interrupção da ede móvel no ano passado não afetou sua rede principal, razão pela qual não foram afetadas as comunicações de emergência.

Respondendo à pergunta do CRTC sobre quais proteções adicionais Rogers terá no futuro, a Rogers diz que está realizando uma revisão com um terceiro, emitindo dual-SIMs ou um dispositivo móvel secundário para todos os funcionários críticos e estabelecendo conectividade alternativa de operadora em locais para conexões de backup.

Além disso, a empresa confirmou que um memorando de entendimento para assistência mútua está sendo desenvolvido pelo Comitê Consultivo de Telecomunicações de Segurança Canadense (CSTAC) entre as principais empresas de telecomunicações canadenses dentro de 60 dias. A Rogers é co-presidente do CSTAC.

Essas medidas se somam às ações de curto prazo, que incluem melhorar a confiabilidade da rede IP e da infraestrutura, emitir uma revisão da arquitetura de rede com parceiros fornecedores e aumentar a automação nos processos de gerenciamento de incidentes. A empresa também planeja introduzir mais análises de avaliação de risco e expandir seus recursos de monitoramento de rede. O CRTC pediu a Rogers que fornecesse mais comentários sobre a investigação em andamento.

O documento público completo (127 páginas) pode ser baixado do CRTC em “https://crtc.gc.ca/public/otf/2022/c12_202203868/4226089.doc”.

Compartilhar: