Operações com bitcoin lavaram US$ 2,8 B em 2019

Paulo Brito
17/01/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O valor foi calculado pela empresa de segurança Chainalysis com base em seu monitoramento e apontado em seu relatório anual sobre crimes cibernéticos

Quase US$ 3 bilhões foram lavados com o uso de Bitcoin por cibercriminosos durante o ano passado. O valor foi calculado pela empresa de segurança Chainanalysis com base em seu monitoramento e apontado em seu relatório anual sobre crimes cibernéticos. Os pesquisadores da empresa mencionam que a maioria desses fundos teria sido transferido usando duas exchanges de criptomoedas: Binance e Huobi. “A retirada de fundos ilegais nessas plataformas cresceu consideravelmente durante 2019; rastreamos pelo menos US $ 2,8 bilhões vinculados a atividades criminosas e transferidos para plataformas de criptomoeda ”, diz o relatório.

A empresa afirma no relatório que existem cerca de 300.000 contas operadas por grupos criminosos em dezenas de plataformas de criptomoedas. E que cerca de 75% dos fundos ilegais circulam entre Binance e Huobi, por meio de quase 900 contas. Um fator fundamental para o crescimento dessas práticas, afirma a Chainanalysis é a atividade de corretores de balcão, que os grupos criminosos buscam para adquirir criptomoeda sem precisar fornecer muitos detalhes sobre suas atividades: “No mercado de balcão, o cliente as medidas de identificação praticamente não existem, o que é benéfico para grupos criminosos ”, afirma o relatório.

Samuel Lim, diretor de conformidade da Binance, afirmou que embora existam casos em que criminosos conseguem se infiltrar nessas exchanges, a Binance dedicou tempo e recursos para melhorar seus processos de identificação, além da implementação da tecnologia anti-lavagem de dinheiro. Zherek Jakubchek, analista de segurança cibernética da Europol, comentou recentemente sobre a dificuldade de rastrear transações ilegais usando criptomoeda, observando que, diferentemente de ativos virtuais como Bitcoin ou Ethereum, as transações com o Monero são “praticamente impossíveis de rastrear”.

O Instituto Internacional de Segurança Cibernética (IICS) monitorou continuamente os relatórios de incidentes de segurança relacionados ao uso de criptomoeda; a maioria desses relatórios inclui atividades ilícitas, como lavagem de dinheiro, roubo de ativos digitais e o uso de endereços de criptomoeda para coletar pagamentos de extorsão e ataques de ransomware. 

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest