ONU alerta sobre ‘mercenários cibernéticos’ em ação

Da Redação
20/06/2024

Num debate do Conselho de Segurança da ONU, convocado pela República da Coreia, sobre a evolução das ameaças no ciberespaço, o presidente do Conselho, para junho, Antonio Guterres, sublinhou o poder transformador das tecnologias digitais. Mas acrescentou alertas: “Avanços nas tecnologias digitais estão acontecendo em alta velocidade; os avanços digitais estão revolucionando economias e sociedades”, disse ele. “Eles estão unindo as pessoas, proporcionando aos cidadãos acesso a serviços e instituições governamentais e impulsionando as economias, o comércio e a inclusão financeira.” No entanto, advertiu que a conectividade contínua e instantânea que alimenta estes benefícios também torna as pessoas, as instituições e os países vulneráveis. “Os perigos de transformar as tecnologias digitais em armas crescem a cada ano”, alertou. “As atividades maliciosas no ciberespaço estão aumentando, tanto por parte de intervenientes estatais como não estatais, bem como por criminosos declarados.”

Veja isso
Agência da ONU investiga ataque de ransomware e roubo de dados
Fornecedores não devem se livrar de ônus, diz diretora da CISA

O chefe da ONU alertou que as atividades cibernéticas maliciosas estão crescendo, com graves incidentes de segurança cibernética se tornando “perturbadoramente comuns”. Serviços públicos essenciais, como cuidados de saúde, bancos e telecomunicações, são frequentemente violados, e organizações criminosas e “mercenários cibernéticos” envolvem-se em atividades ilícitas implacáveis. Além disso, uma “legião de comerciantes de ódio” está espalhando medo e divisão online. “Os chamados ‘hacktivistas’ civis estão entrando na briga e, em muitos casos, estão confundindo a linha entre combatentes e civis”, disse ele.

A integração de ferramentas digitais com sistemas de armas, incluindo sistemas autônomos, apresenta novas vulnerabilidades, disse Guterres. O uso indevido da tecnologia digital está se tornando mais sofisticado e furtivo, com a proliferação de softwares maliciosos. A ameaça é ainda mais amplificada pelas operações cibernéticas habilitadas pela inteligência artificial (IA). “O ransomware é um exemplo grave”, sublinhou o chefe da ONU, “uma enorme ameaça às instituições públicas e privadas e à infraestrutura crítica da qual as pessoas dependem”. Em 2023, o total de pagamentos de ransomware atingiu US$ 1,1 bilhão. Para além dos custos financeiros, as atividades cibernéticas maliciosas prejudicam as instituições públicas, os processos eleitorais e a integridade online, minando a confiança, alimentando tensões e semeando as sementes da violência e do conflito, acrescentou.

Compartilhar: