O que o WhatsApp protege com a criptografia. E o que não protege

Paulo Brito
07/04/2016
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Os usuários do WhatsApp agora conseguem escrever, falar ou trocar arquivos sem correr o risco de que o conteúdo de sua comunicação seja visualizado ou escutado por pessoas não autorizadas. A garantia dessa segurança está na criptografia de ponta-a-ponta, implantada a partir da versão mais recente do aplicativo e liberada para o Brasil terça-feira desta semana, dia 5 de Abril.

Um passo à frente em privacidade

Filip Chytry, gerente de Inteligência de Ameaças Móveis da Avast, diz: “É ótimo que o WhatsApp tenha dado esse passo e criptografado todas as mensagens enviadas em seu serviço – eles estão finalmente adotando os padrões de segurança que já foram implementados em outros serviços como o Telegram. Para o usuário, a criptografia ponta-a-ponta representa mais segurança para todos os que se utilizam do serviço.”

“Devido à criptografia, o WhatsApp não pode mais visualizar o conteúdo das conversas”, acrescenta. “No entanto, é importante assinalar que os metadados continuam sendo visíveis. Eles continuam podendo ver, por exemplo, com quem você está se comunicando, mas não podem mais ler o conteúdo das mensagens ou escutar o que é dito nas conversas.”

Com todos os recentes vazamentos de dados e relatórios sobre governos espionando cidadãos, esta iniciativa do WhatsApp chega num momento em que a comunicação privada é um assunto quente. Com a atualização do WhatsApp, um bilhão de usuários estarão a salvo de espionagem.

O que é a criptografia de ponta-a-ponta?
Você pode pensar na criptografia como uma forma high-tech de ovos mexidos — quando você envia suas mensagens, faz um telefonema ou envia fotos e vídeos com a última versão do WhatsApp, o conteúdo de suas mensagens é aleatoriamente misturado, transformado e assim protegido. Somente a pessoa que a estiver recebendo esse conteúdo tem a chave para desembaralhar a mensagem de modo que ela possa ser lida ou ouvida. Isto torna impossível para os hackers, governos e mesmo para o próprio WhatsApp acessar qualquer das suas mensagens. Caso elas sejam interceptadas por criminosos ou autoridades, a criptografia torna essas mensagens ininteligíveis para pessoas não autorizadas.

Suas mensagens do WhatsApp agora são particulares (se você atualizar o WhatsApp)

Você certamente gosta de ter a certeza de que ninguém mais está lendo as suas mensagens ou escutando o que você diz nos telefonemas. Mas na verdade é que nunca se consegue ter certeza disso. Agora, no entanto, você pode dormir sossegado sabendo que suas comunicações no WhatsApp estão protegidas de abelhudos e serão somente do seu conhecimento e da pessoa a quem você as endereçou. O WhatsApp está utilizando criptografia padrão AES-256 para codificar as mensagens. Uma criptografia que se torna inquebrável por estar combinada com autenticação segura HMAC-SHA256 para troca de mensagens e verificação de chaves. Você pode ler mais sobre esses detalhes técnicos no documento WhatsApp’s Encryption Overview.

Como ter certeza de que suas mensagens estão criptografadas?

A partir de agora a criptografia está ativada no WhatsApp como padrão. Você só tem de atualizar para a última versão e pronto. É importante notar que a criptografia só estará ativa se todos os participantes da comunicação estiverem utilizando a última versão do aplicativo. Se uma única pessoa de um grupo, por exemplo, não estiver utilizando a última versão — e também a criptografia — então a conversa toda estará sendo feita do modo antigo, em texto visível, sem codificação. Para verificar se as suas conversas estão criptografadas, abra a janela de conversa e toque no nome da pessoa com quem você está conversando ou no nome do grupo. Puxando a tela para cima você verá um aviso indicando se a comunicação está sendo criptografada.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest