O ocidente está numa encruzilhada de segurança cibernética e tecnologia

O diretor do serviçoo secreto do Reino Unido, Jeremy Fleming, diz que as tecnologias futuras provavelmente serão moldadas por nações como a China
Da Redação
23/04/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

É improvável que as nações ocidentais tenham um papel na formação de tecnologias críticas, como a segurança cibernética, a menos que ações significativas sejam tomadas, advertiu o chefe da agência de inteligência britânica GCHQ, Jeremy Fleming. Empresas e governos no Ocidente segundo ele estão numa encruzilhada, e perderão a corrida a menos que sejam tomadas medidas para garantir que tais tecnologias e práticas de segurança cibernética não sejam definidas e controladas por nações como a China. Embora o Reino Unido seja atualmente um big player no mundo digital, isso também é algo que pode não permanecer assim.

O diretor do GCHQ, que ocupa o cargo desde 2017, alertou em discurso que este é um momento que o Reino Unido precisa decidir se vai continuar a evoluir e competir com os adversários, ou abrir mão do controle. Ele também alertou que o Reino Unido deve desenvolver “tecnologias soberanas” enquanto aumenta o investimento em áreas como computação quântica e inteligência artificial (IA)

Veja isso
Qual a nação mais poderosa no ciberespaço? China e EUA já empatam
Ataques levam UE a medidas contra Rússia, China e Coréia do Norte

Seus comentários surgem em meio a preocupações crescentes de que países como a China estão ultrapassando nações como o Reino Unido e os Estados Unidos em termos de influência e poder tecnológico. Fleming também apontou para uma explosão de relatórios de incidentes de hackers patrocinados por estados, com essas operações se tornando muito mais sofisticadas. Exemplos recentes incluem as violações da SolarWinds Orion Platform vinculadas à Rússia , bem como os ataques do Microsoft Exchange Server , que se acredita serem perpetrados por grupos apoiados por chineses.

“A segurança cibernética é uma questão cada vez mais estratégica que precisa de uma abordagem de todo o país. As regras estão mudando de maneiras nem sempre controladas pelo governo”, disse Fleming. “E sem ação fica cada vez mais claro que as tecnologias-chave nas quais contaremos para nossa prosperidade e segurança futuras não serão moldadas e controladas pelo Ocidente. Estamos agora em um momento de ajuste de contas”. Ele também comentou sobre a expansão das tecnologias de cidades inteligentes, sugerindo que é necessário haver uma abordagem coordenada para a construção de tais sistemas no Reino Unido, que leve em consideração tanto a inovação quanto a privacidade. Se isso for feito da maneira certa, representa uma “oportunidade fantástica” para aumentar a eficiência e a qualidade dos serviços públicos.

“Se não controlarmos a tecnologia”, advertiu ele, “se não entendermos a segurança necessária para implementá-la de maneira eficaz, acabaremos com um ambiente ou ecossistema de tecnologia onde os dados não são usados ​​apenas para navegar , mas pode ser usado para nos rastrear”. Ele enfatizou que em cidades inteligentes e outras áreas, como infraestrutura 5G , o Reino Unido precisa garantir uma diversidade de fornecedores. Esta foi uma referência codificada a uma dependência anterior excessiva em tecnologias de rede desenvolvidas pela Huawei.

Em novembro do ano passado, o governo britânico determinou aos provedores de telecomunicações que interrompessem a instalação de equipamentos Huawei em redes 5G a partir de setembro de 2021. As empresas também têm um prazo de 2027 para retirar os componentes da Huawei que já foram instalados em redes 5G.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)