googletag.cmd.push(function() { googletag.display('div-gpt-ad-1592598795326-0'); });
Adware.jpg

Novo adware móvel, de difícil remoção, rouba informações pessoais

Malware foi desenvolvido para se infiltrar em um dispositivo sem ser detectado e sem procedimentos de desinstalação
Da Redação
25/05/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Um adware de difícil remoção, que coleta informações pessoais de dispositivos móveis, está se alastrando por todos os cantos do globo. Pesquisadores de segurança da Check Point Software alertam que o adware foi desenvolvido para se infiltrar em um dispositivo sem ser detectado e sem procedimentos de desinstalação. Segundo eles, a remoção desse tipo de ameaça pode ser extremamente difícil e as informações que coleta, como sistema operacional de dispositivos, localização, imagens, entre outras, podem representar um alto risco à segurança.

O adware é geralmente distribuído por aplicativos móveis. De acordo com a empresa de pesquisas Statista, existem 2,5 milhões de aplicativos disponíveis para usuários do Android e Google Play e 1,8 milhão de aplicativos disponíveis na Apple Store. Esses números demonstram o amplo escopo desse tipo de ataque, fornecendo uma indicação clara do motivo pelo qual os cibercriminosos se concentram nos dispositivos móveis.

Veja isso
Adware já responde por 72% de todos os malwares móveis
Malware para IoT e redes zumbi estão entre principais ameaças em 2020

Um exemplo do poder do adware é o Agent Smith, uma nova variante de malware móvel detectada no ano passado por um dos pesquisadores da Check Point. O Agent Smith infectou cerca de 25 milhões de dispositivos móveis em todo o mundo, sem ser notado pelos usuários. Para fazer isso, imitou um aplicativo do Google e explorou vulnerabilidades conhecidas nos sistemas Android, substituindo automaticamente os aplicativos instalados por versões contendo código malicioso, tudo sem o conhecimento do usuário. Ele também explorou os recursos do dispositivo exibindo anúncios fraudulentos que poderiam gerar lucro roubando credenciais bancárias e espionando.

Segundo o gerente de Engenharia da Segurança da Check Point Brasil, Fernando de Falchi, é necessário apenas um dispositivo móvel comprometido para que os cibercriminosos roubem informações confidenciais e acessem a rede corporativa da organização. “Cada vez mais ameaças móveis são criadas diariamente, com níveis mais altos de sofisticação e maiores taxas de sucesso.”

O executivo observa que o adware para dispositivos móveis, uma forma de malware projetado para exibir anúncios indesejados na tela do usuário, é utilizado pelos cibercriminosos para executar ciberataques de sexta geração (Gen VI).

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest