Netskope compra a Infiot, ampliando sua aposta em SASE

A Netskope usará a tecnologia zero trust da Infiot para oferecer “uma plataforma SASE totalmente integrada e de um único fornecedor”, observou a empresa ao anunciar a aquisição
Da Redação
02/08/2022

A Netskope dispõe agora de tecnologia de rede e ao mesmo tempo a segurança necessária para oferecer aos seus clientes uma arquitetura SASE (Secure Access Service Edge): a novidade está contida no anúncio da aquisição da Infiot, especializada em zero trust e baseada na Califórnia, por um valor não revelado. Especialistas do mercado acreditam que o valor não seja elevado, já que a empresa teve somente uma rodada de investimentos, da ordem de US$ 15 milhões, da qual participaram a Lightspeed Venture Partners, a Neotribe Ventures e a WestWave Capital.

Fundada em 2018 em San Jose, a empresa tem um total da ordem de 30 funcionários e é definida pelo portal Pitchbook como “desenvolvedora de uma plataforma de arquitetura em nuvem projetada para fornecer arquitetura segura, otimizada e extensível para a indústria de internet das coisas. A plataforma da empresa conecta trabalhadores remotos, sites fixos e móveis e dispositivos loT em redes celulares LTE e 5G”.

Veja isso
Netskope anuncia novos data centers no Brasil
WSF usado em infiltração de ransomware

No anúncio da aquisição, a Netskope informou que os recursos da Infiot serão a base do serviço Borderless WAN, permitindo “que os clientes da Netskope apliquem políticas uniformes de segurança e qualidade de experiência (QoE) à mais ampla gama de necessidades de trabalho híbrido, desde funcionários em casa ou em trânsito, até filiais , sistemas de ponto de venda ad-hoc e ambientes multinuvem. Para os clientes, todos esses recursos são fornecidos em uma única arquitetura, usando uma estrutura de política e um console, o que simplifica drasticamente as operações, preserva o desempenho da rede e garante o sucesso do SASE”.

Apesar da popularidade do SASE, afirma a Netskope no comunicado, “mensagens confusas do fornecedor geralmente acompanham conjuntos de produtos fragmentados que são falsamente comercializados como ‘SASE’. A maioria desses produtos não é integrada nativamente, nem é capaz de simplificar ambientes de tecnologia e não possui recursos críticos de transformação de rede e infraestrutura – todos os quais arriscam níveis mais altos de incidentes de segurança, tempo de inatividade da rede e baixo ROI”.

Compartilhar: