Navegador Tor inclui recurso para impedir bloqueio de usuários

Da Redação
19/07/2022

O Projeto Tor atualizou seu principal navegador de anonimização para tornar mais fácil para os usuários frustrar as tentativas de governos de bloquear seu uso em várias regiões do mundo. A versão 11.5 do navegador Tor “transformará a experiência do usuário de se conectar à rede Tor a partir de regiões fortemente censuradas”, de acordo com anúncio feito pela organização não governamental sediada nos EUA e que gerencia o software de código aberto.

O novo navegador substitui um “processo manual e confuso” que exigia que os usuários gerenciassem suas próprias configurações da rede onion para descobrir como aplicar uma bridge para desbloquear o Tor em sua região. Como diferentes configurações de bridge podem ser necessárias para alcançar isso em diferentes países, o esforço manual sobrecarrega muito os usuários censurados, admitiu o Projeto Tor.

A resposta da ONG para o “problema” foi desenvolver o Connection Assist, que aplicará automaticamente a configuração da bridge que deve funcionar melhor em qualquer região em que o usuário esteja. Os países que bloquearam a rede Tor são a China, Rússia, Bielorrússia e Turcomenistão.

Os voluntários nesses e em outros países afetados são convidados a se inscrever para ser um testador alfa, para que o feedback possa ser compartilhado com a comunidade. Para aqueles que ainda preferem configurar manualmente seu software, o Projeto Tor atualizou suas configurações de rede para melhorar a experiência do usuário. Há também um novo modo padrão somente HTTPS para usuários, que protegerá os clientes criptografando o tráfego entre sua máquina e os servidores da Web que ela contata.

Veja isso
Projeto Tor abre parcerias para reforçar desenvolvimento em privacidade
Broker põe à venda na dark web acesso a sistemas invadidos

“Essa mudança ajudará a proteger nossos usuários de ataques de remoção de SSL [Secure Sockets Layer] por retransmissões de saída mal-intencionadas e reduzirá fortemente o incentivo para ativar retransmissões de saída para ataques man-in-the-middle em primeiro lugar”, afirmou. 

Man-in-the-middle é uma forma de ciberataque em que os cibercriminosos agem como um intermediário entre a vítima e um site de banco ou mesmo outros usuários, por exemplo.

Embora o uso do navegador Tor seja comumente associado à navegação nefasta na dark web, é também uma ferramenta valiosa para ativistas, jornalistas, dissidentes e trabalhadores em ONGs que operam sob regimes governamentais opressivos.

Compartilhar: