fake-1909821_640-1-e1571859655510.jpg

Mídia ocidental é usada para desinformação pró-Rússia

Pesquisadores descobriram evidências de que declarações “provocativas” pró-Rússia estavam sendo postadas sistematicamente nas seções de comentários dos leitores em 32 importantes veículos de mídia
Da Redação
08/09/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Os canais da mídia ocidental estão sendo sistematicamente manipulados para espalhar propaganda e desinformação favoráveis ao governo russo, de acordo com um novo relatório do Instituto de Pesquisa sobre Crime e Segurança da Universidade de Cardiff.

Os pesquisadores descobriram evidências de que declarações “provocativas” pró-Rússia ou anti-ocidente estavam sendo postadas sistematicamente nas seções de comentários dos leitores em artigos relacionados à Rússia em 32 importantes veículos de mídia, em 16 países. Posteriormente, os meios de comunicação de língua russa usaram esses comentários como base para histórias sobre eventos politicamente polêmicos.

Essas histórias insinuaram que há um apoio significativo entre os cidadãos ocidentais à Rússia ou ao presidente Vladimir Putin, usando manchetes como “Os leitores do Daily Mail dizem…” e “Os leitores do Der Spiegel pensam…” Eles também foram escolhidos e relatados por outra ‘mídia marginal’ e sites com histórico de disseminação de desinformação e propaganda, alguns dos quais foram vinculados aos serviços de inteligência russos por agências de segurança ocidentais.

Em um exemplo destacado pelo estudo, um pequeno número de comentários em uma história do Mail Online sobre o retorno do Taleban ao poder no Afeganistão foi usado em um artigo russo com o título “Os britânicos compararam a ascensão do Taleban ao poder com o fim da civilização ocidental.”

Essas histórias foram publicadas principalmente na Rússia e em publicações da Europa Central e Oriental, principalmente da Bulgária. No total, a equipe descobriu 242 histórias que eles acreditam ter sido geradas dessa maneira. Entre os sites repetidamente visados ​​pela operação de influência estão The Daily Mail, Daily Express e The Times, no Reino Unido; Fox News e Washington Post, nos Estados Unidos; Le Figaro, na França; Der Spiegel e Die Welt, na Alemanha; e La Stampa, na Itália.

O relatório acrescentou haver evidências de coordenação entre a mídia estatal russa e os meios ligados ao não estatal Patriot Media Group, observado e baseado nos comentários dos leitores.

Embora essas atividades tenham sido detectadas pela primeira vez como parte de uma pesquisa sobre desinformação online em meio a tensões entre a Ucrânia e a Rússia no início deste ano, a equipe de Cardiff acredita que essas táticas aumentaram desde 2018.

Veja isso
TSE manda cortar repasses a sites que geram desinformação
Deep fakes vão ganhar espaço e elevar mais o risco cibernético

Os pesquisadores usaram técnicas de reconhecimento e detecção de padrões de ciência de dados para os comentários dos leitores fazerem suas descobertas, que revelaram vários comportamentos incomuns associados a algumas contas que publicam conteúdo pró-russo. Isso incluiu alguns usuários mudando repetidamente suas personas e locais. Ao mesmo tempo, em plataformas específicas, os comentários pró-Kremlin receberam um número e proporção excepcionalmente altos de votos positivos em comparação com mensagens típicas. Juntos, esses múltiplos sinais de inautenticidade sugerem que a atividade de comentários foi coordenada.

O professor Martin Innes, diretor do Instituto de Pesquisa sobre Crime e Segurança da Universidade de Cardiff explicou que à medida que as principais plataformas de mídia social se tornaram mais alertas aos riscos das operações de influência estrangeira, os agentes de desinformação e propagandistas têm buscado novas vulnerabilidades no ecossistema de mídia para explorar. “Ao adotar uma estratégia de mídia de ‘espectro total’ que combina informações de meios de comunicação social e mainstream, esta campanha sofisticada tem o potencial de moldar os pensamentos, emoções e comportamento de diversos públicos internacionais em relação a histórias de mídia de alto perfil.”

Mais importante ainda, segundo Innes, são as táticas e técnicas específicas usadas para hackear a função de comentários no ecossistema de mídia, o que torna quase impossível atribuir responsabilidade pelo comportamento pró-Kremlin com base em dados de código aberto disponíveis publicamente. “Portanto, é vital que as empresas de mídia que administram sites participativos sejam mais transparentes sobre como estão lidando com a desinformação e mais proativas na sua prevenção”, disse ele.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest