pixabay wages salary carreer woman 3261425 1280

Microsoft mostra por que há poucas mulheres em cyber

Da Redação
10/03/2022

As mulheres ocupam apenas 25% das vagas de trabalho em cibersegurança, segundo a última pesquisa da CyberSecurity Ventures. Pode-se e deve-se fazer mais para incentivar mais pessoas com perspectivas diversas a ingressar na profissão, afirma Vasu Jakkal, Vice-presidente Corporativa de Segurança, Conformidade, Identidade e Gerenciamento da Microsoft: “Eu garanto que é uma ótima indústria para se trabalhar!”, disse ela em seu blog publicado terça feira dia 8 de Março, Dia Internacional da Mulher. No mesmo texto ela publicou os resultados de uma pesquisa encomendada pela Microsoft para explicar por que há poucas mulheres no setor.

Os principais objetivos foram identificar a dinâmica que alimenta a diferença de gênero na segurança cibernética e explorar estratégias para a Microsoft superar essas barreiras.

Embora a maioria dos entrevistados (83%) tenha dito acreditar que há uma oportunidade para as mulheres na segurança cibernética, menos da metade das entrevistadas (44%) acredita que estão suficientemente representadas no setor. “A falta de representação pode, então, reforçar a diferença de gênero ao dissuadir as mulheres de entrar na segurança cibernética”, disse Jakkal. Mais mulheres do que homens (54% versus 45%) dizem que há preconceito de gênero na indústria que resulta em salários e apoio desiguais.

Veja isso
Mulher chefiará cibercomando do exército dos EUA
Deloitte quer mais mulheres em vagas de cyber

Muitos entrevistados indicaram um viés de que a segurança cibernética não é uma escolha de carreira tradicional para as mulheres. Vários entrevistados revelaram como essas crenças são arraigadas: “Há menos mulheres interessadas em alta tecnologia”, disse um. “As mulheres ficam entediadas com computadores porque são melhores cuidadoras”, disse outra.

Algumas mulheres expressaram esses preconceitos. A pesquisa indicou que as mulheres são mais propensas do que os homens (71% versus 61%) a pensar que a segurança cibernética é uma carreira “muito complexa”. Os homens são mais propensos do que as mulheres (21% versus 10%) a se sentirem qualificados para se candidatar a um anúncio de emprego de segurança cibernética. E mais mulheres do que homens (27 por cento versus 21 por cento) acreditam que os homens são vistos como mais adequados para as áreas de tecnologia.

Muitos acreditam que o preconceito de gênero começa cedo. Mais de um em cada quatro (28%) acredita que os pais são mais propensos a orientar seus filhos para os campos de tecnologia e segurança cibernética do que suas filhas. As mulheres pesquisadas são mais propensas do que os homens (31% versus 26%) a acreditar nisso. Outro possível contribuinte é que as mulheres normalmente têm menos modelos de segurança cibernética – pais, mentores ou colegas – que poderiam despertar seu interesse pela profissão.

“Como uma mulher que trabalha em segurança cibernética, sei em primeira mão que envolver meninas, mulheres e pessoas de cor na segurança cibernética o mais cedo possível é fundamental para o crescimento e o impacto de nosso setor”, diz ela. “As ameaças à segurança são cada vez mais complexas, frequentes e impactantes; eles vêm de fora e de dentro da organização e todos são vulneráveis. O cenário exige uma força de trabalho de profissionais de segurança que tragam diversos conhecimentos, origens e habilidades para esses desafios de segurança cibernética . E sabemos que há uma enorme oportunidade com estimativas de um milhão de funções de segurança cibernética não preenchidas.”

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar: